Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Agosto 19 2012

 

Prato em faiança da fábrica Bordalo Pinheiro, Caldas da Rainha, decorado com motivos marinhos em relevo – algas, amêijoas, um berbigão, um pequeno búzio, mexilhões e percebes.

 

Característico, como se sabe, da produção oitocentista e novecentista de diversas fábricas caldenses, este tipo de decoração é muitas vezes enriquecido com a adição de diversos peixes e crustáceos.

 

Escrevendo em Os Gatos (seis volumes publicados entre 1889 e 1894; citação efectuada a partir do volume 6, editado em 1992 pelo Círculo de Leitores) sobre a cerâmica de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905) e a visita que efectuou às Caldas da Rainha em 27 de Setembro de 1892, Fialho de Almeida (1857-1911) declarou:

 

"A cerâmica de Bordalo abrange artefactos de louça caseira ou decorativa, azulejos, telha de cores, etc., constituindo a produção usual da fábrica, e obras de escultura, que são na desabrochante curva da vida artística do meu amigo a terceira grande fase monumental do seu talento."

 

 

Com efeito, pratos como este, que foi certamente produzido depois do falecimento de Rafael e seu filho Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro (1867-1920), mas seguia modelos executados em vida dos artistas, traduzem a convergência da produção bordaliana face à tradição cerâmica Caldense, a qual vinha na linha dos modelos quinhentistas do ceramista francês Palissy (1510-c.1590). 

 

Fialho de Almeida prosseguiu o seu texto no sentido de destacar não estas peças mais vulgares mas sim as figuras monumentais da Paixão de Cristo, executadas por Rafael para as capelas da mata do Buçaco, e a talha manuelina que foi adquirida nesse ano pelo rei D. Carlos (1863-1908; rei, 1889-1908).

 

Mas a dimensão da genialidade criativa e inovadora de Rafael na cerâmica define-se ainda com a monumental jarra Beethoven, com as figuras de movimento, com as peças únicas dedicadas a homenagear diversas personalidades, com as figuras de escárnio e maldizer produzidas entre o episódio do Ultimato (1890) e a captura (1895) do régulo Gungunhana (c.1850-1906) e com as inúmeras outras peças de cerâmica decorativa que a fábrica executou.

 

Um conjunto de sete pratos da colecção Berardo, utilizando essencialmente variantes da decoração aqui apresentada, pode ser visto no catálogo da exposição O Universo de Rafael Bordalo Pinheiro: da Caricatura à Cerâmica, realizada no Museu do Douro em 2009.

 

 

© MAFLS


mais sobre mim
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
15
17

21
23

27
29
31


pesquisar