Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Setembro 01 2012

 

O INÍCIO DE UMA CARREIRA NA FLS (I)

 

Nunca na minha infância sonhei que algum dia iria trabalhar na indústria cerâmica, embora soubesse que a minha família era dona da Fábrica de Loiça de Sacavém e que o meu avô e o meu pai trabalhavam lá. Só quando acabei o secundário em Londres, sem quaisquer ideias quanto ao meu futuro, é que aceitei ir fazer o curso de cerâmica em Stoke-on-Trent. Isto passou-se em 1956.

 

As primeiras impressões não foram nada boas. As "Potteries", como era conhecida a área da cidade de Stoke-on-Trent (composta por seis vilas – Burslem, Fenton, Hanley, Longton, Stoke e Tunstall), eram o centro da indústria cerâmica de Inglaterra e nessa altura existiam centenas de pequenas e médias empresas todas à volta das grandes cerâmicas, tais como a H&R Johnson, Royal Doulton, Twyfords, Wedgwood, e outras. Todas estas fábricas, particularmente as centenas das mais pequenas que ainda não tinham investido em fornos modernos devido às dificuldades económicas do pós-guerra, debitavam cá para fora uma espessa camada de fumo proveniente dos antigos fornos redondos, bottle ovens, e das chaminés das caldeiras que ainda eram alimentadas a carvão. Nessa época era impossível usar uma camisa branca pois era sabido que pela altura do almoço o colarinho já estaria preto... Só para dar uma ideia, as papelarias e tabacarias locais vendiam uns postais de Stoke-on–Trent apresentando uma imagem totalmente a preto com o título "Stoke-on-Trent by night", havendo outros exactamente iguais mas com o título "Stoke-on-Trent by day"!

 

Ao fim de algum tempo ficávamos habituados não só ao denso fumo como à chuva e ao frio, sendo tudo atenuado pelas amizades que se criavam – ainda em Julho passado me veio visitar um antigo colega de curso que hoje em dia vive na Austrália e eu não via há mais de quarenta anos!

 

© Clive Gilbert 

© MAFLS


Setembro 01 2012

 

Pequenas figuras de esquiadores, em porcelana da Electro-Cerâmica do Candal, decoradas com esmalte policromado e complementos a dourado sobre o vidrado.


Estas pequenas figuras, com cerca de 9,2 x 6,8 x 4,6 cm., acabaram por tornar-se características da produção do Candal embora a sua imagem esteja estreitamente ligada a modelos importados, como os da fábrica alemã Hümmel (http://mfls.blogs.sapo.pt/88777.html), e outras fábricas portuguesas, como a VA, tenham comercializado linhas semelhantes.


Destes exemplares apenas o que está decorado a azul apresenta marca estampada sobre o vidrado, tal como se pode ver abaixo, ostentando ambos a referência E8, de formato, e a marca EC impressas na pasta.


Embora se conheçam diversas peças semelhantes a estas, incluindo outras com diferentes cores, como o verde, o seu preço actual tende a ser injustificadamente especulativo e exorbitante, algo que ultimamente tem acontecido com muitas das peças decorativas do Candal, em particular nas lojas e feiras de antiguidades do norte do país. 

 

 

Numa carta manuscrita, datada de 22 de Novembro de 1920 e dirigida a um outro responsável dessa fábrica, carta que se encontra no arquivo particular de Carlos Bobone (n. 1962), o administrador delegado da Vista Alegre, João Teodoro Ferreira Pinto Basto (1870-1953) sublinha: " (...) Temos que ser commerciaes e não afugentar os clientes que tem serviços nossos – Devemo-nos lembrar que a Ceramica de Gaia [Candal] vae fazer serviços. (...)"


Efectivamente, embora tenha começado pelo ramo da porcelana para fins eléctricos e industriais, a Empresa Electro-Cerâmica do Candal não só veio a produzir com sucesso serviços de mesa como também inúmeras outras peças utilitárias e decorativas, particularmente jarras e pequenos bibelots representando animais ou figuras como estas.


Tal como referido anteriormente (http://mfls.blogs.sapo.pt/62574.html), esta empresa acabou por integrar-se em definitivo no grupo Vista Alegre a partir do ano de 1945, permanecendo a ele ligada até ao ano de 2001.


Sobre a actual realidade do espaço e do património da EC veja-se: http://www.candalparque.pt/index.html.

 

 

© MAFLS


Setembro 01 2012

 

Completam-se hoje três anos de publicação do espaço Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém.

 

Um momento adequado para agradecer às pessoas e instituições que, além de visitarem estas páginas, têm enriquecido o espaço com a partilha de imagens dos seus arquivos, e colecções, e a partilha de conhecimentos nos seus comentários.

 

Um momento adequado, também, para agradecer em particular a todos os técnicos e funcionários do Museu de Cerâmica de Sacavém e, muito especialmente, do Centro de Documentação Manuel Joaquim Afonso a colaboração que têm dado a este espaço e todo o apoio que têm prestado à investigação do autor ao longo da última década.

 

No entanto, ao fim de três anos qualquer espaço com estas características tende a evidenciar inevitável desgaste, perdendo algum do impacto e do interesse inicial. Ponderou-se, por isso, cessar a sua publicação.

 

Por coincidência, nesse período de indecisão, um desafio lançado a um dos protagonistas da história recente da FLS teve boa aceitação e trouxe a possibilidade de se poder contar com nova e inestimável colaboração neste espaço. Uma colaboração que, só por si, justifica a manutenção do MAFLS.

 

Assim, é possível anunciar desde já a disponibilidade de Clive Gilbert para evocar o seu percurso pessoal na FLS através da publicação de textos inéditos, expressamente escritos para este espaço, que virão a ser reunidos sob o título Memórias de Clive Gilbert

 

Ao longo dos seus doze anos de existência o MCS tem vindo a registar e a divulgar, nas suas exposições e nos seus catálogos, as experiências e as memórias de muitos trabalhadores da FLS. Precioso contributo para as memórias da empresa, que a partir de agora passarão certamente a ficar ainda mais completas.

 

 

 

 

A peça escolhida para assinalar esta efeméride é uma invulgar escultura moldada de um dragão, em biscoito, ou chacota, com as dimensões aproximadas de 22,8 x 23,8 x 18 cm.

 

Na cultura oriental, em cuja gramática escultural este exemplar se insere, o dragão surge como uma criatura benévola e auspiciosa para o novo ano, sendo comum nas representações associadas a esse rito de passagem.

 

Este dragão, de que não se conhece qualquer outro exemplar acabado em faiança vidrada ou pintada, corresponderá eventualmente à peça referenciada na tabela de Novembro de 1945 sob o número 371 e a designação "Figura de Dragão", ao preço de 264$00 para "Colorido s/ ouro". Tal valor colocava aquela peça entre as 15 mais caras da FLS na categoria, num total de 415 peças tabeladas nesse ano.

 

A peça surge ainda na tabela de Maio de 1951, ao preço de 303$50 para "Côres Mates ou coloridos s/ ouro", mas já não aparece na tabela de Maio de 1960.

 

© MAFLS


mais sobre mim
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14

18
20

24
26
28



pesquisar
 
subscrever feeds