Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Junho 28 2015

 

Pequena taça em porcelana, com cerca de 14,6 cm. de diâmetro maior e cerca de 6,1 cm. de altura, produzida na fábrica Artibus, de Aveiro.

 

Notem-se a tendência japonizante na decoração floral e os toques distintivos da sua cuidada produção na faixa dourada interior e nos retoques a esmalte branco em relevo.

 

Esta última característica pode ser encontrada, no princípio do século XX, em diversas peças da FLS estampadas em cromolitografia, momedamente em pratos decorativos, apresentando algumas deles, também, motivos japonizantes (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/gueixa).

 

 

© MAFLS


Junho 24 2015

 

Em mais uma iniciativa do Colectivo Três Cês (http://www.ceramica3cs.com/), inaugura-se no próximo sábado, dia 27 de Junho de 2015, pelas 18h00, em São Martinho do Porto, a 11.ª Mostra de Cerâmica Contemporânea de Autor, que estará patente diariamente, até 05 de Julho, domingo, entre as 10h00 e as 23h00.

 

Uma oportunidade única para apreciar, e adquirir, algumas das peças contemporâneas de cerâmica portuguesa de autor e constatar que a sua qualidade formal e técnica está a par do melhor que actualmente se produz internacionalmente na área da cerâmica artesanal. 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 21 2015

 

O programa Perdidos e Achados, do canal SIC Notícias, divulgou ontem uma peça, intitulada Viagem pela Cerâmica Portuguesa, sobre a cerâmica portuguesa, em geral, e sobre a produção das Caldas da Rainha, em particular.

 

Nesta peça televisiva, com 13 minutos e 21 segundos de duração, que ao longo da semana vinha sendo anunciada com o título genérico "A Arte em Cacos", registam-se depoimentos de antigas funcionárias da Secla, de gestores empresariais, de marchands, de curadores, de coleccionadores e de investigadores de cerâmica, entre os quais surge a incontornável autora do blog Cerâmica Modernista em Portugal (http://ceramicamodernistaemportugal.blogspot.pt/), Rita Gomes Ferrão.

 

A propósito da produção de outras notáveis regiões cerâmicas portuguesas, como a região de Aveiro, reproduz-se aqui uma das muitas e excelentes peças que foram comercializadas pela, também incontornável, fábrica Aleluia durante as décadas de 1950 e 1960.

 

Veja-se a reportagem da SIC Notícias aqui: http://sicnoticias.sapo.pt/programas/perdidoseachados/2015-06-20-Viagem-pela-ceramica-portuguesa.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 13 2015

 

Par de azulejos ostentando uma frase atribuída ao poeta Eugénio de Castro (1869-1944).

 

Pintado à mão e produzido na lisboeta fábrica Sant'Anna, este conjunto ostenta uma legenda característica do período em que o Secretariado de Propaganda Nacional (SPN, 1933-1944; posteriormente, SNI) procurou moldar figurinos revivalistas, de carácter nacionalista e regionalista, para as artes decorativas e até para a arquitectura.

 

Já anos antes, logo na década de 1910, através dos princípios da casa portuguesa preconizada por Raul Lino (1879-1974), era possível encontrar tais inscrições em diversos edifícios que, de modo mais ou menos ortodoxo, seguiam os modelos arquitectónicos defendidos por este consagrado arquitecto.

 

Embora a generalidade destas legendas traduzisse habitualmente aforismos tradicionais, anónimos e de carácter popular, este exemplar procura associar o prestígio de Eugénio de Castro, inicialmente conotado com o simbolismo e mais tarde com um saudosismo de carácter nacionalista, à consolidação de tais inscrições.

 

Em certa medida, as inscrições deste tipo constituem-se como paradigma de uma política de espírito que António Ferro (1895-1956) procurou também introduzir e traduzir nos motivos de diversas lambrilhas produzidas na fábrica Viúva Lamego (http://mfls.blogs.sapo.pt/126700.html).

 

 

© MAFLS

 


mais sobre mim
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

22
23
25
26
27

29
30


pesquisar
 
subscrever feeds