Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Outubro 01 2013

Fotografia de Leland Gilbert publicada em 1950, na brochura comemorativa do centenário da Fábrica de Loiça de Sacavém.

Agradece-se a Hector Castro a cedência desta imagem, obtida a partir de um exemplar dessa publicação.

  

 O INÍCIO DE UMA CARREIRA NA FLS (XIV)

  

Perante a situação descrita no mês anterior, a Sacavém de certo modo teve alguma sorte pois a evolução económica do país a partir dos anos sessenta permitiu à fábrica aguentar a concorrência das novas empresas, quer na área dos materiais de construção, quer na área da loiça de mesa.

 

No entanto, num aspecto mais abrangente, a evolução tecnológica dos processos e a própria tecnologia do fabrico dos vários produtos cerâmicos estavam a sofrer alterações que, em certa medida, poderiam ser consideradas drásticas. Estas mudanças implicavam processos de fabrico totalmente distintos uns dos outros, embora a prensagem fosse comum a todos.

 

Se, por um lado, o fabrico do azulejo e do mosaico continuava a efectuar-se através da prensagem hidráulica, no caso da loiça sanitária a prensagem veio a realizar-se através do sistema isostático, processo bastante complexo que, na altura, veio a sobrecarregar a Divisão Técnica.

 

Com a reforma de meu pai, Leland Gilbert (1907-1979), no início dos anos setenta, ingressou na empresa, como administrador, Fernando Barros, pessoa que até aquele momento tinha colaborado na reorganização da Sacavém através da sua empresa de assistência, a SANA. Embora tenha conseguido alguns resultados positivos, a sua maneira de estar não agradou ao pessoal da empresa e quando veio o 25 de Abril de 1974 ele foi saneado pela Comissão de Trabalhadores.

 

Nessa altura Leland Gilbert sofreu de um aneurisma e teve de ser operado. No entanto, na véspera da intervenção cirúrgica, inesperadamente, o hospital foi ocupado pelos trabalhadores. Consequentemente, foi necessário arranjar outra solução.

 

Através de contactos na Inglaterra foi possível conseguir uma vaga num hospital que aceitou o seu internamento e onde posteriormente a operação decorreu satisfatoriamente. Embora ainda tivesse voltado uma vez a Portugal, meu pai resolveu ficar a viver no Reino Unido até à sua morte, ocorrida em Janeiro de 1979.

 

© Clive Gilbert

© MAFLS


mais sobre mim
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17

21
23
25

29
31


pesquisar