Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Setembro 01 2016

 

Açucareiro em porcelana, com cerca de 9 cm. de altura, produzido na fábrica SPAL, de Alcobaça.

 

Apresentando uma decoração floral estilizada característica das décadas de 1960 e 1970, e da cultura pop, ostenta na base a marca da distribuidora alemã Krömer-Zolnir, que terá encomendado a sua produção. 

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 09:01

Março 27 2016

 

Frasco para perfume, com cerca de 10,8 cm. de altura, em faiança da Elpa, Alcobaça.

 

O motivo patente nesta peça insere-se num conjunto de representações femininas estilizadas, por vezes ingénuas ou mesmo kitsch, que se vulgarizam nalguma cerâmica europeia das décadas de 1950 e 1960, particularmente em certas faianças francesas e italianas.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Fevereiro 13 2016

 

Jarra em faiança, com cerca de 22,4 cm. de altura, produzida e pintada à mão na Olaria de Alcobaça.

 

Apresentando ainda uma decoração com o característico azul da fábrica, assume-se como peça de transição para obras mais tardias, das décadas de 1950 e 1960, onde o dourado surge já com alguma frequência (http://mfls.blogs.sapo.pt/61886.html).

 

A profusão e a riqueza do dourado desta jarra não só criam um efeito feérico, que oscila ente o kitsch e o sumptuoso, como resultam numa peça invulgar em toda a produção da OAL.

 

Este exemplar foi exibido na exposição Portuguese Ceramics in the Art Deco Period, realizada em 2005 nos EUA.

 

 

© MAFLS


Dezembro 24 2015

 

No ano em que a SPAL comemora o seu cinquentenário, assinala-se esta quadra natalícia apresentando o pequeno prato, com cerca de 11,9 cm. de diâmetro, desenvolvido pela empresa para as suas ofertas institucionais.

 

Aproveita-se ainda a oportunidade para formular as habituais saudações a quem visita este espaço, em geral, e, em particular, a todas as companheiras e todos os companheiros que promovem a divulgação cerâmica na blogosfera.

 

Para todos, votos de Festas Felizes e excelente Ano Novo!

 

 

© MAFLS


Outubro 31 2015

 

Cinzeiro em faiança, com cerca de 2,5 x 10,4 x 12,9 cm., produzido na fábrica Elpa, de Alcobaça.

 

A decoração deste exemplar ilustra a variante de um motivo denominado Athenea na produção da OAL, uma empresa também de Alcobaça, embora muitas outras fábricas portuguesas tenham comercializado diferentes variantes, como se pode verificar aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/decora%C3%A7%C3%A3o+tipo+athenea.

 

Recorde-se que Maria Andrade, a autora de Arte, Livros e Velharias (http://www.artelivrosevelharias.blogspot.pt/), referenciou ainda esta decoração em peças da Estatuária, de Coimbra.

 

Note-se, contudo, como este motivo dourado é diferente daquele que surge no conjunto de chávena e pires anteriormente apresentado (http://mfls.blogs.sapo.pt/215177.html) e é mais semelhante àquele que surge numa peça assinada apenas Vicrilana (http://mfls.blogs.sapo.pt/243762.html), a qual também terá sido produzida na Elpa.

 

A legenda manuscrita Recordação de Arêgos remete para a tradição dos souvenirs associados às estâncias balneares e termais, tradição que no caso destas últimas estava já bem consolidada nas últimas décadas do século XIX, particularmente na Europa central, como se pode constatar em inúmeras peças de vidro e cerâmica produzidas nessa época.

 

As Caldas de Aregos (http://www.termas-caldasdearegos.com/website/) são uma estância termal do concelho de Resende, cujo alvará de concessão foi atribuído em 20 de Junho de 1909, embora haja referências à utilização terapêutica das suas águas que remontam ao tempo de D. Afonso Henriques (c.1109-1185; rei, 1143-1185) e da rainha D. Mafalda (1125-1158?).

 

Note-se, finalmente, como a marca Elpa agora reproduzida, combinando, a dourado, carimbo com logótipo e inscrição manuscrita, ainda não tinha surgido em nenhuma das peças anteriormente aqui apresentadas (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/elpa).

 

 

© MAFLS


Julho 26 2015

 

Pequena taça promocional, com cerca de 9,9 cm. de diâmetro maior, em porcelana da SPAL.

 

Esta peça recente apresenta os nomes de diversos ceramistas e designers, nacionais e internacionais, que, ao longo das cinco décadas de existência da empresa, têm colaborado com a SPAL.

 

Para além de Mary Lou Goerzen (n. 1929), que já aqui foi referida (http://mfls.blogs.sapo.pt/outras-fabricas-outras-loicas-ccxlix-349090), nesta taça são também evocados Gerard [sic] Gullota (n. 1921), Stefanie Hering (n. 1967), Lauren Horwitz (datas desconhecidas), Martin Hunt (n. 1942), Carl Gustaf Jahnsson (n. 1935), António Mira (datas desconhecidas), Jack Prince (n. 1926), David [Douglas, marquess of] Queensberry (n. 1929), Rosaria Rattin (datas desconhecidas), Alda Tomás (n. 1970; cf. http://www.remadeinportugal.pt/default/designers/ver/ano/2012/id/5) e Rezzan Unver (datas desconhecidas). 

 

Nas últimas três décadas do século XX, o americano Gerald Gullota desenhou ainda peças de vidro e cristal para as fábricas de Alcobaça Crisal e Atlantis (https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/artists/9806/Gerald_Gulotta), integrando esta última, actualmente, o grupo Vista Alegre Atlantis. 

 

 

A maioria destes artistas desenvolve criações para outras áreas do design e ainda para diversas outras fábricas de cerâmica, como o inglês Martin Hunt que criou o conjunto de taça e pires em porcelana, acima ilustrado, para a consagrada fábrica alemã Rosenthal.

 

Os nomes patentes nesta taça não esgotam, contudo, a totalidade dos artistas que durante o último meio século colaboraram com a SPAL. Entre os portugueses, por exemplo, note-se que também o pintor Luís Pinto-Coelho (1942-2001) criou em 1988 o motivo Palácio de Anglona, cuja designação deriva do homónimo palácio madrileno onde residia, para um serviço distribuído pela empresa Braz & Braz (http://www.brazebraz.pt/). 

 

Ao longo destas cinco décadas, a SPAL desenvolveu ainda diversas criações personalizadas para inúmeras empresas e instituições, nacionais e internacionais, algumas delas já desaparecidas, como a Torralta.

 

Desenvolveu também vários serviços de bordo para os aviões da TAP, empresa que, no ano do seu septuagésimo aniversário, acaba de ser privatizada e tem uma exposição que lhe é consagrada no MUDE, Museu do Design e da Moda (http://www.mude.pt/).

 

 

A TAP encomendou diferentes peças a, pelo menos, seis fábricas portuguesas de cerâmica – Carvalhinho, Fábrica de Loiça de Sacavém (http://mfls.blogs.sapo.pt/13526.html), Faiart, Gresval, SPAL e Vista Alegre, sendo esta última aquela que actualmente fornece o seu serviço de bordo Top Executive.

 

A Vista Alegre forneceu também esse serviço entre 1962 e 1974, seguindo-se um período, entre 1974 e 1979, em que tal fornecimento foi assegurado quer pela SPAL quer pela VA. Foi ainda no primeiro destes períodos, em 1966, que a VA desenvolveu, para a TAP, oito travessas ilustrando outros tantos motivos diferentes com danças regionais.

 

Durante mais de vinte e cinco anos, contudo, o serviço de bordo foi assegurado em exclusivo pela SPAL, nomeadamente entre 1980 e 2006. Neste período, a SPAL apresentou dois conjuntos diferentes, um entre 1979 e 2001, outro entre 2002 e 2006.

 

Acima apresentam-se três das peças que integravam o conjunto utilizado a partir de 1979, numa simples mas elegante e luxuosa combinação de ouro e azul cobalto, ostentando já o novo logótipo da TAP que havia sido adoptado nesse mesmo ano.

 

 

© MAFLS


Julho 21 2015

 

Tal como já foi aqui referido, a escritura de constituição da SPAL foi lavrada a 21 de Julho de 1965.

 

A Sociedade de Porcelanas de Alcobaça teve como fundadoras as empresas Elias & Paiva, Lda., Olaria de Alcobaça, Lda., Raul da Bernarda & Filhos, Lda., e ainda Joaquim Augusto Coelho Ferreira da Bernarda.

 

O capital social de constituição ascendia a 9.000.000$00, estando distribuído pelas seguintes quotas – Elias & Paiva, Lda., 3.000.000$00; Olaria de Alcobaça, Lda., 3.000.000$00; Raul da Bernarda & Filhos, Lda., 2.100.000$00; e Joaquim Augusto Coelho Ferreira da Bernarda, 900.00000.

 

À data de constituição da sociedade apenas cinquenta por cento deste capital se encontrava realizado, tendo sido estipulado que os restantes quatro milhões e quinhentos mil escudos deveriam dar entrada na caixa social até 31 de Dezembro daquele ano.

 

 

Contrastando com o sóbrio e tristonho pin que a SPAL escolheu para assinalar o seu cinquentenário, o qual está ilustrado no início deste artigo, nada melhor do que reproduzir uma das suas decorações mais feéricas para sublinhar a habitual excelência da maioria da produção da empresa.

 

Em sintonia com tal contraste, intitula-se este motivo Paradoxo. Surge aqui ilustrado num conjunto de pires e chávena de café, peças que ostentam a versão IV desta decoração comercializada na década de 1990.

 

O motivo Paradoxo apresentava diferentes composições geométricas onde se inscreviam combinações cromáticas, semelhantes a esta, sumptuosamente complementadas a ouro.

 

Veja-se como a decoração desta série pode perfeitamente competir com alguns dos motivos das célebres Espresso Sammeltasse, no formato "Cupola" concebido por Mario Bellini (n. 1935), comercializadas também na mesma década pela conceituada fábrica alemã Rosenthal: http://www.rosenthal.de/en/shop/brands/studio-line-2-en/gifts-and-accessories-en/espresso-collectors-cups-en/.

 

 

© MAFLS

 


Junho 24 2015

 

Em mais uma iniciativa do Colectivo Três Cês (http://www.ceramica3cs.com/), inaugura-se no próximo sábado, dia 27 de Junho de 2015, pelas 18h00, em São Martinho do Porto, a 11.ª Mostra de Cerâmica Contemporânea de Autor, que estará patente diariamente, até 05 de Julho, domingo, entre as 10h00 e as 23h00.

 

Uma oportunidade única para apreciar, e adquirir, algumas das peças contemporâneas de cerâmica portuguesa de autor e constatar que a sua qualidade formal e técnica está a par do melhor que actualmente se produz internacionalmente na área da cerâmica artesanal. 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 05 2015

 "... um carro triunfal sobre duas rodas que avançou tirado por um Grifo." Purgatório, Canto XXIX.

 

Mais um conjunto de três pratos em porcelana da fábrica SPAL, que completa a divulgação de todos os exemplares que integram esta colecção, reproduzindo desenhos do pintor e ilustrador Lima de Freitas (1927-1998; cf. http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/245638.html e http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/245105.html).

 

Como já foi referido, todos estes desenhos foram elaborados sob encomenda das Colecções Philae (http://www.philae.pt/index.html), que lançaram e comercializaram a série em 1984.

 

Constituída por nove pratos (veja-se toda série aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/dante+alighieri), a colecção evoca diversas passagens da célebre obra intitulada Divina Comédia, a qual foi escrita pelo consagrado poeta italiano Dante Alighieri (1265-1321).

 

 "... começou a gritar a horrenda boca na qual fala mais doce não cabia." Inferno, Canto XXXI.

 

Exímio desenhador, Lima de Freitas teve alguma da sua produção gráfica e pictórica inicial associada ao movimento neo-realista. Esta influência evoluíu depois para um traço expressionista, bem patente em algumas das capas que produziu para as célebres colecções Argonauta e Vampiro das edições Livros do Brasil (cf. http://capasecompanhia.blogs.sapo.pt/?skip=10&tag=lima+de+freitas.).

 

É aliás nas capas que o artista produziu para estas duas colecções que se pode constatar a sua versatilidade, porquanto se revela um atento executante das diversas correntes gráficas suas contemporâneas.

 

Neste conjunto de pratos executados para a SPAL encontramos já uma outra fase da sua obra, mais ligada ao hermetismo de inspiração maçónica, como se pode verificar quer nos diversos símbolos patentes nas imagens quer no número de peças escolhidas para integrar a colecção.

 

Para além desses símbolos, note-se como Lima de Freitas insiste na sobreposição e dissimulação de rostos e corpos nas composições, recurso particularmente utilizado nos pratos alusivos ao Purgatório e ao Inferno.

 

"A bela imagem da Águia, que era formada das almas agrupadas, ledas no gozo da sua beatitude, mostrava-se-me com as asas abertas." Paraíso, Canto XIX, 1-3.

 

© MAFLS


Janeiro 24 2015

Pequena jarra em faiança, com cerca de 10,4 cm. de altura, da fábrica Pereira & Lopes. 

 

Localizada em Valado de Frades, Alcobaça, a empresa operou com tal designação entre 1944 e 1969, tendo esta peça sido manufacturada muito provavelmente na década de 1950.

 

Este exemplar apresenta o característico fundo azul e a gramática decorativa habitualmente associada à loiça da região de Alcobaça produzida entre as décadas de 1930 e 1960.

 

Veja-se uma outra jarra da P&L, com fundo branco e decoração completamente distinta dos seus habituais motivos florais, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/61692.html.

 

 

© MAFLS


mais sobre mim
Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


pesquisar