Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Junho 13 2015

 

Par de azulejos ostentando uma frase atribuída ao poeta Eugénio de Castro (1869-1944).

 

Pintado à mão e produzido na lisboeta fábrica Sant'Anna, este conjunto ostenta uma legenda característica do período em que o Secretariado de Propaganda Nacional (SPN, 1933-1944; posteriormente, SNI) procurou moldar figurinos revivalistas, de carácter nacionalista e regionalista, para as artes decorativas e até para a arquitectura.

 

Já anos antes, logo na década de 1910, através dos princípios da casa portuguesa preconizada por Raul Lino (1879-1974), era possível encontrar tais inscrições em diversos edifícios que, de modo mais ou menos ortodoxo, seguiam os modelos arquitectónicos defendidos por este consagrado arquitecto.

 

Embora a generalidade destas legendas traduzisse habitualmente aforismos tradicionais, anónimos e de carácter popular, este exemplar procura associar o prestígio de Eugénio de Castro, inicialmente conotado com o simbolismo e mais tarde com um saudosismo de carácter nacionalista, à consolidação de tais inscrições.

 

Em certa medida, as inscrições deste tipo constituem-se como paradigma de uma política de espírito que António Ferro (1895-1956) procurou também introduzir e traduzir nos motivos de diversas lambrilhas produzidas na fábrica Viúva Lamego (http://mfls.blogs.sapo.pt/126700.html).

 

 

© MAFLS

 


mais sobre mim
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

22
23
25
26
27

29
30


pesquisar