Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Julho 11 2015

 

Quadra de azulejos, ostentando no tardoz a inscrição LAMEGO e XIII, em relevo, cuja decoração floral foi executada através de uma técnica híbrida – com pintura manual, livre, e pintura sobre stencil (chapa recortada).

 

Note-se como, no padrão decorativo, os módulos não se ajustam perfeitamente entre si, não se devendo isto apenas às diferentes dimensões de cada azulejo – que variam entre os 13,6 e os 13,8 cm., mas principalmente ao facto de a decoração, no limite exterior, começar a diferentes distâncias desse limite. 

 

Note-se ainda como estes exemplares apresentam vários defeitos de pintura, e também de vidrado, sendo o mais evidente aquele que surge no canto inferior direito.

 

Sublinhe-se que o facto de estes exemplares apenas ostentarem o nome Lamego, e não Viúva Lamego, não implica que tenham sido executados em vida do fundador da empresa, António da Costa Lamego (1818-1876), o qual, entre 1849 e 1865, desenvolveu as primitivas instalações da fábrica no famoso edifício, que ainda hoje subsiste, localizado no Largo do Intendente, em Lisboa (http://www.viuvalamego.com/PT/VL).

 

Embora não tenha sido encontrada informação sobre a data do revestimento, a igreja da Misericórdia da Covilhã, fundada em finais do século XVI, apresenta azulejos semelhantes no seu interior.

 

É possível que o revestimento azulejar tenha sido aplicado durante as obras que decorreram no segundo quartel do século XX, quando o tecto da nave foi pintado por António Esteves Lopes (1900-1973).

 

© MAFLS


mais sobre mim
Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

27
28
29
30
31


pesquisar