Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Setembro 07 2017

 

O Sporting Clube da Vista Alegre acaba de anunciar o novo equipamento para a sua equipa de futebol, que este ano disputará a Primeira Divisão Distrital de Aveiro.

 

Mantendo as suas cores tradicionais, o amarelo e o azul, o equipamento surge com um design inovador e sui generis, da autoria do conceituado designer espanhol Jaime Hayon (n. 1974), que também concebeu para a VA a colecção Folkifunki (http://24.sapo.pt/vida/artigos/animais-e-folclore-portugues-numa-mesa-alegre-a-fantasia-de-um-conceituado-designer-para-empresa-dos-nossos-tetra-avos), e apresenta o actual logótipo da empresa, que foi introduzido em 2008.

 

Vários registos documentam, no entanto, que o equipamento mais antigo exibia apenas um listado vertical azul e branco, como se pode verificar num cinzeiro com jogador, nuns emblemas esmaltados e numa talha comemorativa da conquista do Campeonato da 2.ª Divisão Distrital, Zona Sul, peças existentes no Museu da Vista Alegre, em Ílhavo.

 

Note-se que a colecção FolkifunKi, desenvolvida em 2016, parece evocar muito do colorido e do imaginário da fábrica galega Sargadelos (http://www.sargadelos.com/es/), com a qual Hayon nunca terá colaborado.

 

Já em 2014 os atletas do clube haviam envergado um equipamento concebido por um outro conceituado designer, o brasileiro Brunno Jahara (n. 1979), que criou para a VA o serviço Transatlântica (https://vistaalegre.com/pt/SearchProducts?q=transatl%C3%82ntica&submitSearch=Pesquisar), alegadamente o seu serviço de mesa actualmente mais vendido em todo o mundo, como se pode ver abaixo.

 

Curiosamente, qualquer uma das três propostas, submetidas a votação em 2014, parece querer funcionar como uma montra ambulante publicitando especificamente o próprio serviço, de forma mais explícita do que o actual equipamento.

 

A propósito da denominação do serviço, recorde-se que Mónica Marques (n. 1970) já havia utilizado um trocadilho semelhante no título do seu livro Transa Atlântica (2008).

 

 

A Vista Alegre encontra-se ligada ao futebol desde o século XIX, tendo os descendentes do seu fundador estado associados à organização do primeiro jogo público de que há notícia em Portugal, o qual se realizou em Lisboa no ano de 1889.

 

A criação e manutenção de secções desportivas era uma tradição das diversas fábricas cerâmicas portuguesas de maiores dimensões, entre a quais se contavam a Electro-Cerâmica, do Candal, a Fábrica de Loiça de Sacavém e a própria VA, que já promovia o futebol nas instalações da fábrica desde 1915 e fundou o SCVA em 1952.

 

Nos arquivos da VA existe, aliás, registo de uma curiosa peça, um "Prato para parede", com decoração intitulada "Roulet n.º 1", alusiva ao futebol e produzida em 1939.

 

Trata-se de um prato ostentanto os elementos de uma equipa de futebol dispostos em círculo, com um logótipo no centro, correspondente ao desenho P.1961.

 

De acordo com o verbete 2675, o motivo foi desenhado por Piló (Manuel Pilo da Silva, 1905-1988) e o exemplar correspondente à ilustração desse verbete "Oferecido a Secção Desportiva da «EC» em 2/7/39".

 

Uma interessante documentação lateral da convergência empresarial que se verificava, desde meados dessa década, entre a VA e a Electro-Cerâmica do Candal.

 

 

© MAFLS


Abril 08 2015

 

Pessoalmente, sinto grande enlevo pelas artes gráficas, em geral, e pela concepção e design de capas, em particular, tal como seria expectável de alguém que criou um blog intitulado Capas & Companhia (http://capasecompanhia.blogs.sapo.pt/) e reproduziu extensivamente capas e documentos gráficos em outros dois, como são o Blog da Rua Nove (http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/) e o Rua Onze.Blog (http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/).

 

Ainda hoje me empolga o impressionante grafismo que muitas publicações portuguesas das décadas de 1920, 1930 e 1940 apresentam, como se comprova pelas capas reproduzidas abaixo, tal como me entusiasmam as diferentes variantes tipográficas da letra D criadas por Hugo D'Alte, Dino dos Santos e Joana Correia para a capa dos três primeiros volumes desta série sobre o design português.

 

Mas sabem quantas imagens apresenta o volume II desta série? Cento e dezoito. E sabem quantas destas não reproduzem aquilo que já originalmente era um documento gráfico? Apenas vinte e quatro. É verdade. O interessantíssimo texto de Rui Afonso Santos (n. 1963), sobre as mais diversas áreas de produção do período que decorreu entre 1920 e 1939, é completamente engolfado por noventa e quatro imagens reproduzindo apenas documentos gráficos. 

 

Se alguém interessado neste período não se desse ao trabalho de ler o texto daquele autor, o que seria uma desacertada e infeliz decisão considerando toda a eclética, abrangente e pertinente informação que ali nos é transmitida, e apenas atentasse nas imagens, ficaria com a errónea ideia de que estaria apenas perante um volume essencialmente consagrado às artes gráficas desta época.

 

   Capa, de autor não identificado, para a obra Leomil (1921), de António de Sèves (1895-1970).

 

Esta peculiar predominância de iconografia relacionada com tais documentos dever-se-á indubitavelmente a uma forte razão de estratégia editorial, que no entanto não transparece, e provavelmente será contrabalançada nos dois últimos volumes da série, os quais serão consagrados exclusivamente a uma cronologia ilustrada e comparativa.

 

Contudo, não deixa de ser surpreendente folhear estes três primeiros volumes da série e não descobrir uma única imagem de qualquer peça de ourivesaria ou joalharia portuguesa. Nem uma. E isto, num país com a tradição que Portugal tem nesta área, parece traduzir a inexistência, ou menoridade, de qualquer peça com design meritório nestas décadas. O que obviamente é absurdo.

 

Tal opção editorial é tanto mais estranha quanto se sabe que Rui Afonso Santos conhece e está particularmente sensibilizado para toda a produção desta área, conforme se pode constatar no número 22 da revista Umbigo (http://umbigomagazine.com/um/), à qual concedeu uma entrevista onde declarou – "Se olharmos para a história do design em Portugal, é óbvio que a joalharia é uma parte indispensável."

 

   Capa de António Soares (1894-1978).

 

Do mesmo modo, a julgar pela inexistência de qualquer iconografia correlativa nestes três volumes, parece não ter existido nas décadas de 1900 a 1959 qualquer produção ou quaisquer padrões dignos de nota na área dos tecidos, o que também é uma hipótese completamente absurda considerando a tradição têxtil portuguesa.

 

E neste contexto basta recordar, mesmo que a intenção pudesse ser contrastante, uma fotografia de 1915 em que a consagrada Sonia Delaunay (1885-1979) apresenta as suas composições, tapeçarias e propostas criativas tendo como pano de fundo algumas chitas portuguesas, e algumas das suas posteriores declarações:

 

" (...) Chassés par la chaleur torride d'août, Robert Delaunay et moi, conseillés par des amis peintres de Lisbonne, sommes arrivés à Vila do Conde, au nord du Portugal.

 

La lumière n'était pas violente, mais exaltait toutes les couleurs – les maisons multicolores ou d'un blanc éclatant, d'une ligne sobre, des paysans dans des costumes populaires, des tissus, des céramiques aux lignes à la beauté antique d'une pureté étonnante, parmi la foule des boeufs hiératiques à grandes cornes – on a eu l'impression de se trouver dans un pays de rêve."

 

   Tecido estampado aplicado numa encadernação da obra Leviana (1921), de António Ferro (1895-1956).

 

Como se sabe, o design não só pode condicionar a vivência quotidiana como traduzir mentalidades e hábitos culturais. Há simples "objectos do dia-a-dia (cadeiras, livros, cartazes, candeeiros ou jornais)" através dos quais, como afirma José Bártolo, "podemos compreender melhor a história sociocultural do Portugal contemporâneo".

 

Na ourivesaria, l'air du temps das primeiras décadas do século XX pode-se traduzir através de singelos e comezinhos objectos, hoje quase caídos em desuso, como sinetes, monogramas ou argolas de guardanapo. 

 

Os monogramas metálicos recortados, que poderiam personalizar bolsas ou outros objectos, raramente estão marcados devido à sua reduzida dimensão, mas reproduzem-se abaixo cinco exemplares em prata que, com excepção daquele que surge no canto inferior direito, ilustram claramente influências Art Nouveau e Art Déco. Dois desses exemplares, o do centro e o do canto inferior esquerdo, apresentam punção portuguesa anterior a 1938.

 

Este último, com as iniciais M. A., pertenceu ao chefe bombeiro Mário Batista de Almeida (datas desconhecidas), que integrou o Batalhão de Sapadores Bombeiros de Lisboa (activo em 1936), o Corpo de Bombeiros de Vila Viçosa (activo em 1946), os Bombeiros Voluntários de Algés (activo em 1950) e os Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique (activo em 1972), em Lisboa.

 

 

A produção de peças maiores de ourivesaria portuguesa durante as décadas de 1900 a 1920 foi desenvolvida regularmente por inúmeras empresas de Lisboa, Porto e Gondomar. Certo é que muita dessa produção traduzia ainda a tradição formal e decorativa de séculos anteriores, ou, na melhor das hipóteses, a predominância de um gosto derivado da influência neo-manuelina.

 

Mas durante a década de 1920 encontramos já diversas casas a produzir peças com tardio gosto Art Nouveau em simultâneo com o inovador gosto Art Déco ou um revivalista gosto pela arte egípcia.

 

Em Lisboa notabilizaram-se as casas Ferreira Marques, Filhos, que produziu caixas para pó, espelhos modernos, pulseiras, salvas polidas e serviços para cacau ao gosto Art Déco, Joaquim Lory & C.ª, que comercializou alfinetes de peito com influência egípcia e alfinetes de peito, barretes e pulseiras ao gosto Art Déco, Leitão & Irmão, que desenvolveu a notável Salva das Azeitonas, de tardia influência Art Nouveau, Mariano Costa, que comercializou ainda uma outra Salva das Azeitonas, de influência Art Nouveau, Olinda de Oliveira & C.ª, Limitada, que desenhou alfinetes de peito e pulseiras ao gosto Art Déco, e Pedro Fraga, que comercializou alfinetes de peito também de influência egípcia.

 

No Porto, onde a influência do gosto neo-manuelino se arrastou, tal como em Lisboa, durante largo período, notabilizaram-se naquela década, particularmente, as casas Miranda & Filhos, com um espelho para toilette de influência Art Déco, e Reis, Filhos, Limitada, com uma esplêndida e monumental caravela de prata e marfim apresentando figuras femininas de influência Art Nouveau, a qual foi encomendada pela [sic] colónia Portuguesa do Rio de Janeiro para ser oferecida ao Hospital da Beneficência Portuguesa da mesma cidade. 

 

 

No plano individual, durante a década de 1920, destacaram-se ainda as obras de dois consagrados artistas.

 

Por um lado, a do renomado escultor João da Silva (1880-1960; cf. http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/85920.html), que, entre muitas outras peças, produziu um tinteiro com figura feminina intitulado O Estudo, uma faca  de cortar papel e um alfinete de peito intitulado Anfitrite e Tritão, todos eles magníficos exemplares tardios de ourivesaria escultórica ao gosto Art Nouveau.

 

Por outro, a do aclamado ourives e cinzelador António Maria Ribeiro (1889-1962), com a escultura intitulada A Vaga, uma alegoria, também de influência Art Nouveau, ao vôo entre Portugal e o Brasil protagonizado em 1922 por Gago Coutinho (1869-1959) e Sacadura Cabral (1881-1924), o Vaso Monumental, oferecido pela Guarnição Militar do Porto à Guarnição Militar de Madrid, taça que combina uma cena de bacanal, de influência neoclássica, com um formato de inspiração Art Nouveau, e a mais conservadora mas monumental escultura intitulada Altar da Pátria, obra produzida na já citada casa portuense Reis, Filhos, Limitada, que também se encontra no Brasil (cf. http://www.realgabinete.com.br/portalweb/Biblioteca/AcervoArt%C3%ADstico.aspx).

 

Para encerrar este artigo, retornamos a peças mais comezinhas, apresentando-se acima algumas argolas para guardanapo, em prata, todas com punção portuguesa anterior a 1938, e abaixo um pendente em platina, com brilhantes e esmeraldas, ostentando também punção portuguesa anterior a 1938.

 

 

© MAFLS


Março 26 2015

 

"(...) Dos móveis nem falar: uma caqueirada a que presidem umas pobres nogueiras disfarçadas de Henrique II. Que sei eu, uma família precisa de tanta coisa! Lá vêm umas visitas: «Que hão-de elas dizer, não temos dois pratos iguais!» Ou parentes da terra: «Quem sabe, talvez no testamento!» Ou os anos da Bibi, o namoro da Bibi – «Oxalá ele não repare!» E as amigas do colégio? «Uns estupores, vão contar tudo o que vêem!» Um horror de vida, nem você faz ideia, a fingir de independência, de conforto, de lar, que se arrasta vazia, friorenta, esburacada de insatisfações.

 

De que te serviu a ti, modesto guarda-livros (agora, por sinal, andas a vender à comissão, na praça) juntar uma limalha de economias de vinte anos (mas duvido que juntasses) para teres um arremedo de existência, numa casa desconfortável, com uivos de vento por todas as frinchas, uns cangalhos desconjuntados, um papagaio a gritar «ó da guarda» na sacada, e uma sopeira que te acaba de escavacar as «porcelanas» de Sacavém ao som do «Cochicho da Menina», porque a lâmpada de quinze velas não alumeia, senhor!

 

A tua mulher frequentou um colégio onde aprendeu lavores e a conjugar o verbo aimer (no futuro anterior, sobretudo) e teve os seus sonhos: por isso, nas faltas de criada, não pode ir ao mercado – «Esta vizinhança fala de tudo!» – e preferiria atirar-se da janela à rua, de cabeça para baixo, a ir levar o caixote do lixo à porta da escada, quando são horas de vir a carroça. É por isso que todas as noites, como um ladrão, tu vais pôr o embrulho do teu lixo pobre à porta duma vizinha, ou o despejas simplesmente num patamar ou no passeio, onde os gatos vêm fazer o seu festim de espinhas de carapau. (...)"

 

Excerto de Os de Cima e os de Baixo, da autoria de José Rodrigues Miguéis (1901-1980), publicado no seu livro É Proibido Apontar: Reflexões de um Burguês - I (1974). Este texto foi originalmente publicado em 1939, na revista Seara Nova, sofrendo depois alguns retoques até à sua primeira edição em volume, que ocorreu em 1964.

 

Contrastando com as sombrias e deprimentes observações de Miguéis, em alguns aspectos ainda tão actuais nos lusitanos e tristes dias que correm, apresenta-se hoje esta peça da FLS, decorada com um bem-humorado motivo, datável, de acordo com o seu formato e vidrado, das décadas de 1950 e 1960.

 

Note-se como este pequeno exemplar, com cerca de 9,1 cm. de diâmetro, ostenta uma primeira marca sob o vidrado translúcido e uma segunda marca, a dourado, sobre esse mesmo vidrado. Uma característica comum a várias peças semelhantes, como já foi ilustrado anteriormente: http://mfls.blogs.sapo.pt/11311.html .

 

Recorde-se, uma vez mais, que a próxima Assembleia Geral da Associação dos Amigos da Loiça de Sacavém decorrerá no sábado, dia 28 de Março de 2015, pelas 11h30m, no Museu de Cerâmica de Sacavém.

 

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 21:01

Setembro 03 2012

 

Anúncio publicado na brochura Lisboa: Roteiro Ilustradopublicação do Guia de Portugal Artístico para os anos de 1939 e 1940, que apresentava na capa uma aguarela do arquitecto Paulino Montez (1897-1988).


Note–se como as instalações de Lisboa ainda aparecem indicadas na Rua da Prata, ao contrário do que acontece no anúncio publicado na revista Panorama de Junho de 1941 (http://mfls.blogs.sapo.pt/96372.html).


Curiosamente, quer a tabela de loiças sanitárias de Julho de 1938 quer a tabela de serviços, do mesmo ano, apresentam já a sede e contabilidade nos números 126 a 132 da Rua da Prata e a exposição e venda na Avenida da Liberdade, números 49 a 57.


Oficialmente, o domicílio social da FLS passou para o primeiro andar, esquerdo, do número 53 da Avenida da Liberdade por escritura de 12 de Julho de 1941.


Neste anúncio note-se ainda a variante da designação no plural, Fábrica de Loiças de Sacavem, que poderá apenas ser devida a uma gralha.


 

© MAFLS


Dezembro 16 2011

 

Anúncio publicado no Almanaque Ilustrado de Fafe para 1939.

 

Recorde-se que a Fábrica do Carvalhinho se encontrava sob administração da FLS desde 1930.

 

© MAFLS


Novembro 12 2011

 

Anúncio publicado no Almanaque Ilustrado de Fafe para 1939.

 

© MAFLS


Outubro 08 2011

 

 

 

Azulejo, com cerca de 16,8 x 16,8 x 1,3 cm., produzido pela Empresa Cerâmica do Fojo, em Vila Nova de Gaia, muito provavelmente durante a década de 1960 ou 1970.

 

Abaixo reproduz-se um anúncio da mesma empresa publicado no Almanaque Ilustrado de Fafe para 1939.

 

 

© MAFLS


Agosto 15 2010

 

"A Mocidade que passa / Garbosa e cheia de graça!". Bilhete postal editado pela Mocidade Portuguesa e circulado em Setembro de 1947. Aguarela original assinada "Leonel" [Cardoso] e datada [1]"939". Ainda em 1939, o autor desenhou uma série de postais reproduzindo trajos portugueses, cujas sucessivas tiragens ultrapassaram os 80.000 exemplares.

 

De entre a vasta obra de Leonel Cardoso (1898-1987) para a FLS, a série Bébé, cuja produção se iniciou em 1945, estabeleceu uma imagem de marca especificamente associada à fábrica, cuja popularidade se manteve ao longo de quase duas décadas. Em menos de cinco anos, Leonel Cardoso criou para esta série mais de cinquenta figuras diferentes, as quais estão assim registadas na tabela de Maio de 1951:

 

 

391 - Figura bébé "Saloio do Ribatejo"; 392 - Figura bébé "Saloia"; 399 - Figura bébé "Alentejano; 400 - Figura bébé "Alentejana" (ceifeira); 401 - Figura bébé "Peixeira" (Lisboa); 402 - Figura bébé "Marujo"; 403 - Figura bébé "Galucho"; 416 - Figura bébé "Guarda Republicano"; 417 - Figura bébé "Criada"; 418 - Figura bébé "Estudante"; 419 - Figura bébé "Tricana"; 420 - Figura bébé "Moço de forcado"; 421 - Figura bébé "Toureiro a pé"; 422 - Figura bébé "Minhota"; 423 - Figura bébé "Homem do Douro"; 424 - Figura bébé "Amola tesouras"; 425 - Figura bébé "Pauliteiro"; 426 - Figura bébé "Homem da Madeira"; 427 - Figura bébé "Mulher da Madeira"; 428 - Figura bébé "Pescador da Nazaré"; 429 - Figura bébé "Mulher da Nazaré"; 430 - Figura bébé "Saloio"; 431 - Figura bébé "Campino a cavalo"; 432 - Figura bébé "Cavaleiro tauromáquico"; 433 - Figura bébé "Homem da Beira"; 434 - Figura bébé "Mulher da Beira (fiandeira)"; 435 - Figura bébé "Cavaleiro hípico"; 436 - Figura bébé "Aluno Colégio Militar"; 437 - Figura "O Fado" (Severa); 444 - Figura bébé "Gaita de foles"; 445 - Figura bébé "Lavadeira"; 446 - Figura bébé "Açoreana"; 447 - Figura bébé "Tocador de harmónio"; 448 - Figura bébé "Zé Pereira"; 449 - Figura bébé "Mulher de Leiria"; 450 - Figura "As três irmãs"; 451 - Figura bébé "Pastor da Serra"; 475 - Figura bébé "Magala a cavalo"; 477 - Figura bébé "Romaria"; 477-A - Figura bébé "Fogueteiro"; 477-B - Figura bébé "Homem dançando"; 477-C - Figura bébé "Mulher dançando"; 477-D - Figura bébé "Homem dançando"; 477-E - Figura bébé "Mulher dançando"; 483 - Carro de bois (Minho); 483-A - Figura bébé "Minhota", para acompanhar o mesmo [todas as figuras anteriores foram criadas, seguramente, até 1947]; 495 - Figura bébé "Toureiro e touro"; 511 - Figura bébé "Futebolista"; 512 - Figura bébé "Polícia"; 521 - Figura bébé "Ardina"; 522 - Figura bébé "Engraxador"; 523 - Figura bébé "Vendedeira de criação"; 532 - Figura bébé "Vendedeira com burro"; 534 - Figura bébé "Moço de forcados e touro"; 542 - Grupo "Três bêbados".

 

 

É possível que os modelos da série Bébé se tenham inspirado nas populares figuras dos Meninos Gordos de meados do século XIX, largamente reproduzidas em faiança na época. Contudo, é importante notar a semelhança entre os cinco desenhos de Stuart Carvalhais (1887-1961), intitulados Figurinos para Carnaval de Miúdos e  publicados em 1935 na revista Sempre Fixe, e a obra de Leonel Cardoso, que também colaborou na mesma publicação.

 

Aliás, as semelhanças entre os desenhos de Stuart, o postal reproduzido e as peças 401 - Peixeira, 445 - Lavadeira, 447 - Tocador de harmónio e 511 - Futebolista, evidenciam essa provável inspiração de Leonel Cardoso. Note-se, no entanto, que a série não apresenta nenhuma figura da Mocidade Portuguesa.

 

Conforme referido anteriormente, a FLS reproduziu em 1989, por ocasião da exposição dedicada a Leonel Cardoso no Museu de Cerâmica das Caldas da Rainha, um conjunto de peças desta série, limitadas a três exemplares para cada figura. De acordo com o catálogo da exposição, essas reproduções correspondem a Guarda Republicano, Toureiro, Manolete [sic], Marujo, Magala, Polícia Sinaleiro, Homem do Harmónio, Jogador de Futebol - Sporting, Ardina, Sopeira, Amola Facas e Tesouras, Fogueteiro, Santo António, Lavadeira de Caneças, Tricana, Homem da Beira, Mulher da Beira, Homem de Trás-os-Montes, Mulher do Minho, Vindimador do Alto Douro, Mulher dos Açores, Homem da Madeira, Mulher da Madeira, O Fado, Os Bêbedos.

 

Entre outros, exemplares destes dois últimos conjuntos – O Fado e Os Bêbedos, pertencentes ao acervo do MCS e evocativos de dois famosos quadros homónimos do pintor José Malhoa (1855-1933), foram exibidos em 2005 nos EUA, durante a exposição Portuguese Ceramics in the Art Deco Period. Estes dois conjuntos são também os únicos da série Bébé que ainda são referenciados na tabela de 1960.

 

 

As figuras desta série tornaram-se tão populares nas décadas de 1940 e 1950 que houve oficinas e pequenas fábricas de cerâmica a produzir peças claramente inspiradas nestes modelos, como o mealheiro em barro não-vidrado reproduzido acima. É claro que, observando hoje esta curiosa peça, não podemos deixar de pensar na sua semelhança com as figuras entretanto criadas por Fernando Botero (n. 1932) no seu universo pictórico e escultórico.

 

Relativamente ao tema do bilhete postal, note-se que Leonel Cardoso executou também uma ilustração com a Mocidade Portuguesa em marcha, a qual foi reproduzida numa jarra em vidro da Marinha Grande.

 

 

© MAFLS


Setembro 27 2009

 

Grande escultura de um gato, em faiança com vidrado brilhante transparente, apresentando a inscrição manuscrita a platina: Whit / 29.12.39.

 

As esculturas cerâmicas Art Déco representando animais estilizados tiveram grande projecção e sucesso no mercado a partir da década de 1920, embora na década anterior muitas das criações do famoso escultor Édouard-Marcel Sandoz (1881-1971) para a fábrica de porcelana de Théodore Haviland (Limoges, França; cf. http://www.haviland.fr/) já houvessem celebrizado essa tendência de estilização. 

 

Dois exemplos, um açucareiro e uma leiteira, das diversas criações de E.- M. Sandoz para a fábrica Haviland.

 

Esta escultura com inscrição a platina constitui uma raridade na produção da FLS, visto que o texto de personalização foi inscrito manualmente sobre o vidrado de um exemplar da produção em série e depois levado ao forno na própria fábrica, resultando assim numa peça de encomenda que provavelmente será única.

 

Embora a peça não se encontre numerada, corresponderá ao número 217 da tabela de 1945, Figura de Gato, que custava 70$50 na versão colorida sem ouro, a única que então se anunciava.

 

Na tabela de 1951 esta figura anunciava-se em "côres mates ou coloridos s/ ouro", ao preço de 81$00, não constando já da tabela de 1960.

 

Como se pode verificar, não há registo de produção desta figura com decoração a ouro ou platina.

 

 

© MAFLS


mais sobre mim
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar
 
subscrever feeds