Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Junho 09 2016

 

Azulejo em relevo, com o motivo 17, apresentando mais uma das variantes cromáticas comercializadas pela FLS.

 

Tal como alguns dos exemplares anteriormente apresentados (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/azulejo+motivo+17), também este ostenta a inscrição SACAVEM moldada no tardoz.

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 21:01

Outubro 06 2013

 

Detalhe da fachada de um edifício da Avenida Pedro Vítor, em Vila Franca de Xira, parcialmente revestida com azulejos da FLS correspondentes ao motivo 14-D.

 

Vejam-se outras variantes de cor deste motivo aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/azulejo+motivo+14.

 

© MAFLS


Julho 26 2013

 

Azulejo em relevo com vidrado semi-mate verde-azeitona, apresentando o tardoz a legenda SACAVEM inscrita no interior de um grande círculo.

 

Apesar de este motivo estar ilustrado no catálogo de 1910, onde surgem combinações policromáticas com vidrado transparente (http://mfls.blogs.sapo.pt/78509.html), o presente exemplar é já do terceiro quartel do século XX.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Julho 21 2013

 

Procurando complementar as mais recentes e diversas referências que a autora do espaço *CMP (http://ceramicamodernistaemportugal.blogspot.pt/search/label/Lu%C3%ADs%20Ferreira%20da%20Silva) vem fazendo à obra de Luís Ferreira da Silva  (n. 1928; http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/ferreira+da+silva), apresenta-se hoje mais uma placa cerâmica, com cerca de 16 x 16 x 2,7 cm., produzida por este ceramista durante a década de 1960 para a fábrica Secla, das Caldas da Rainha.

 

No tardoz apresenta, incisas, a sigla e as iniciais do artista, "FS", a inscrição "Secla / Portugal" e o número "4", que corresponde à decoração, ostentando ainda, a exemplo do que acontece com outro exemplar já aqui apresentado (http://mfls.blogs.sapo.pt/94060.html), quatro suportes em borracha.

 

Recorde-se que diversas placas semelhantes a estas haviam sido exibidas por Ferreira da Silva, em 1960, na sede da The Architectural League of New York, onde, complementarmente, uma montra ao nível da rua lhe foi dedicada em exclusivo.

 

Durante toda a década de 1960 as suas peças, muitas delas únicas, não cessaram de ganhar reconhecimento internacional, sendo essa a altura em que o empresário sueco Ingvar Kamprad (n. 1926), fundador da célebre cadeia IKEA (http://www.ikea.com/ms/pt_PT/about_ikea/the_ikea_way/history/index.html), se tornou no maior coleccionador particular da obra deste notável ceramista.

 

A fim de evitar mal-entendidos sobre dois artistas distintos, mas que têm apelidos iguais e são ambos oriundos da região do Grande Porto, aproveita-se esta oportunidade para reproduzir abaixo a imagem de uma peça de Mário Ferreira da Silva e referir alguma da sua obra.

 

 

Apresentada no número 37, IV série, da revista Panorama, publicada em Março de 1971, esta imagem mostra a peça com que Mário Ferreira da Silva (datas desconhecidas) obteve o Prémio Nacional de Cerâmica de 1969, atribuído no IV Salão Nacional de Arte organizado pela Secretaria de Estado da Informação e Turismo (S.N.I.).

 

Esta nova consagração da obra de Mário Ferreira da Silva (http://www.mariofsilva.com/biografia.html) seguiu-se à que já havia ocorrido em 1960, quando recebera o prémio Sebastião de Almeida, destinado à cerâmica e atribuído a uma base de candeeiro, no II Salão dos Novíssimos promovido pelo SNI. 

 

No catálogo correspondente ao Salão de 1960, onde apresentou três peças – 24, Base de Candeeiro; 25, Jarra Decorativa; 26, Jarra Decorativa, surge sob o nome Mário Ferreira da Silva, com morada na Rua Domingos de Matos, 644, em Coimbrões, V. N. de Gaia.

 

Já nos catálogos dos Salões de 1962, onde apresentou duas peças – 135, Fantasia I, Jarra, e 136, Fantasia II, Jarrão, e de 1965, onde apresentou quatro peças – 101, Pássaros (faiança), 102, Prato (grés), 103, Base para Candeeiro (grés), e 104, Base para Candeeiro (grés), surge apenas sob o nome Mário Silva, com morada na Rua Gil Eanes, 282, 2.º Esq.º, em Vila Nova de Gaia.

 

 

© MAFLS


Abril 04 2013

 

Uma breve nota para registar que este espaço atingiu hoje as duzentas e cinquenta mil visitas.

 

As duas peças de inspiração Art Nouveau, indubitavelmente de manufactura estrangeira, que se apresentam – acima um pequeno azulejo com cerca de 7,6 x 15,2 cm., abaixo uma placa com cerca de 28,2 x 44,8 cm., recordam mais uma vez que ainda é possível visitar a exposição A Arte Nova nos Azulejos em Portugal, patente durante mais alguns meses no Museu de Cerâmica de Sacavém.

 

Entretanto, registe-se que actualmente também se encontra patente no mesmo museu mais uma bem-merecida exposição dedicada à obra do notável fotógrafo Eduardo Gageiro (n. 1935), cujo percurso se encontra ligado à FLS (cf. http://mfls.blogs.sapo.pt/1465.html).

 

 

© MAFLS


Dezembro 02 2012

 

Azulejo com decoração Art Nouveau em relevo e vidrado monocromático, numa variante cor de mel do motivo 14.

 

Ao contrário do que acontece com outras variantes deste motivo anteriormente apresentadas, este exemplar encontra-se marcado "(Coroa)" e "SACAVEM", em relevo, no tardoz. 

 

Vejam-se outros exemplares semelhantes, noutras cores, e uma página do catálogo de Agosto de 1910 em: http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/azulejo+motivo+14.

 

© MAFLS


Novembro 10 2012

 

Azulejo com decoração moldada, correspondente ao motivo 17, e vidrado monocromático. No tardoz apresenta a inscrição "(coroa) / SACAVEM", em relevo. 

 

Vejam-se outros exemplares monocromáticos, com este motivo, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/motivo+404.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 16 2012

 

Azulejos fabricados pela Empresa Cerâmica do Fojo, em Vila Nova de Gaia, apresentando o exemplar reproduzido acima cerca de 16,8 x 16,8 x 1,7 cm. e o reproduzido abaixo cerca de 17,4 x 17,4 x 1,9 cm.

 

Já encerrada, esta fábrica produziu diversos azulejos que revestiram o exterior e o interior de muitos edifícios da região do Porto durante as décadas de 1960, 1970 e 1980, funcionado este revestimento cerâmico como um complemento da arquitectura  e do design de tais edifícios.

 

Foi ainda na Empresa Cerâmica do Fojo que o consagrado pintor Júlio Resende (1917-2011) executou o célebre e emblemático painel azulejar alusivo à ribeira do Porto, intitulado Ribeira Negra (cf. http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/85/Ribeira_Negra_Julio_Resende_%28Porto%29.jpg), uma versão da obra homónima produzida sobre lona no ano de 1984. 

 

Este painel azulejar foi concluído em 1986 e inaugurado no ano seguinte.


Relativamente a estes dois exemplares, quando os observamos atentamente não deixa de ser inevitável pensar nas semelhanças com alguns dos relevos pintados (cf. http://www.bbc.co.uk/arts/yourpaintings/paintings/1934-relief-139699) que o consagrado artista inglês Ben Nicholson (1894-1982) desenvolveu em 1933 e 1934.

 

 

© MAFLS


Junho 09 2012

 

Azulejo com decoração moldada e vidrado monocromático. No tardoz apresenta o que parecem ser um "2", um "0" e um "H", em relevo. 

 

Apesar de não ostentar quaisquer outras marcas visíveis, trata-se certamente de uma peça produzida na FLS pois a decoração em relevo corresponde ao motivo 17.

 

Veja-se um exemplar com este motivo, marcado, mas apresentando vidrado azul, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/48075.html.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 28 2012

 

Recordando a exposição inaugurada há pouco mais de uma semana no Museu de Cerâmica de Sacavém (http://mfls.blogs.sapo.pt/171382.html), apresenta-se hoje um azulejo com decoração Art Nouveau, correspondente ao motivo 19-B, em relevo e vidrado monocromático.

 

Apesar de esta peça não se encontrar marcada no tardoz, exemplares semelhantes constam do catálogo de Preços Correntes da Real Fabrica de Louça em Sacavém - Azulejo, de Agosto de 1910, como já foi referido anteriormente.

 

Veja-se a variante 19-F deste motivo aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/121969.html

 

© MAFLS


mais sobre mim
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
16
18

20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar