Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Dezembro 29 2014

 

Jarra em faiança, com cerca de 27,2 cm. de altura, produzida em Lunévillle pela fábrica Keller et Guérin.

 

Distante da superior qualidade das peças concebidas pelo célebre escultor e ceramista Ernest Bussière (1863-1913), que nos proporcionou algumas das melhores criações cerâmicas da Escola de Nancy (http://www.ecole-de-nancy.com/web/index.php?page=ernest-bussiere-2), esta jarra apresenta decoração floral, de inspiração Art Nouveau, aplicada a aerógrafo sobre stencil (chapa recortada), técnica que a K&G ainda continuou a utilizar nos motivos Art Déco (http://mfls.blogs.sapo.pt/233410.html).

 

Ecoando, no entanto, algum do sentido escultórico que Bussière veio adicionar aos tradicionais formatos cerâmicos da fábrica, encontramos neste exemplar uma modelação em relevo que acentua os seus motivos vegetalistas.

 

Complementarmente, o vidrado recebeu ainda, apenas nas partes relevadas, um acabamento nacarado e, no remate da base e do topo, uma filetagem dourada, detalhes que pretendiam colocar esta peça numa gama cerâmica acima da média.

 

Como é evidente, tais características não aproximam sequer este tipo de produção das exclusivas peças de Bussière, que ilustram a cerâmica francesa Art Nouveau ao seu mais alto nível.

 

Veja-se uma outra jarra da K&G, e leia-se algo mais sobre a empresa, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/277249.html.

 

 © MAFLS


Janeiro 01 2014

     

 

Jarra em grés, com cerca de 24, 2 cm. de altura, da oficina francesa dos irmãos Mougin (Joseph, 1876-1961; Pierre, 1880-1955), cujo modelo foi concebido por Georges "Géo" Condé  (1891-1980).

 

Condé desenvolveu um design figurativo estilizado com um traço muito caraterístico (http://mfls.blogs.sapo.pt/233410.html), sendo este exemplar uma peça muito invulgar na sua produção.

 

Combinando uma tonalidade de fundo que evoca o bronze, e as peças em metal do período Arts & Craft, com a influência do vidrado cristalino herdada de uma certa tradição Art Nouveau, apresenta no segmento superior uma decoração geometrizante que traduz alguma influência da arte africana no modernismo europeu.

 

 

Jarra, com cerca de 17 cm. de altura, apresentando design de Gaston Ventrillon (1897-1982) onde se destaca um friso de flores, frutos, borboleta e pássaro, na parte superior, e vidrado microcristalino na parte inferior.

 

Note-se como o hemisfério superior evoca, particularmente nesta tonalidade, os frisos de madeira exótica, na sua maioria com motivos florais esculpidos, que caracterizaram muito do mobiliário Art Déco produzido em Portugal nas décadas de 1930 e 1940.

 

Para uma versão desta jarra com uma combinação cromática mais ousada, veja-se o exemplar apresentado por MUONT: http://modernaumaoutranemtanto.blogspot.pt/search/label/Mougin.

 

 

Escultura animal de autor não identificado, com cerca 11,8 de cm. de altura e 34,4 cm. de comprimento, estilizada ao gosto Art Déco, apesar da predominância de linhas sinuosas e alongadas características do estilo Art Nouveau, representando uma doninha (Mustela nivalis).

 

Vejam-se algumas peças dos irmãos Mougin, que integram o acervo do Museu da Escola de Nancy, aqui: http://www.ecole-de-nancy.com/web/index.php?page=ceramique-mougin

 

Informação mais desenvolvida sobre a fábrica Keller et Guérin, onde os irmãos Mougin tiveram uma oficina entre 1923 e 1933, e o trabalho de Geo Condé pode ser encontrada nos vários artigos publicados por MUONT, sobre este artista e as diversas fábricas em que colaborou, aqui: http://modernaumaoutranemtanto.blogspot.pt/search/label/Géo Condé.

 

          

 

© MAFLS


Dezembro 30 2013

 

Jarra em faiança, com cerca de 33,4 cm. de altura, decorada sob o vidrado e com complementos a dourado sobre o vidrado, produzida pela fábrica francesa Keller et Guérin, em Lunéville, no final do século XIX.

 

A designação empresarial Keller et Guérin surgiu em 1892, após a reunificação das fábricas de Lunéville, que havia sido fundada em 1730, e de Saint-Clément, que havia sido fundada cerca de 1758. Na base desta designação está o nome de Sébastien Keller (1750-1829), que havia adquirido a fábrica de Lunéville em 1786.

 

Em 1922 Edouard Fenal (?-1938), dono das faianças de Badonviller, adquiriu a empresa, criando assim um grande conglomerado empresarial na área de cerâmica, que manteve as unidades autónomas, bem como a sua designação diferenciada.

 

Em 1963, contudo, as três unidades fabris foram englobadas numa só empresa, passando a produção a efectuar-se apenas em Saint-Clément a partir de 1991. Entretanto, a empresa havia feito uma OPA sobre as faianças de Sarreguemines (http://mfls.blogs.sapo.pt/213547.html) em 1978.

 

Já neste século, em 2006, todas as empresas do grupo foram adquiridas pelo grupo Faïence et Cristal de France, passando a designar-se por Terres d'Est (http://www.terresdest.fr/fr/). Actualmente, todas estas empresas integram o grupo Jolies Ceramiques.

 

 

Como se comprova por este exemplar, a empresa Keller et Guérin já se havia notabilizado por harmoniosas e opulentas decorações em formatos tradicionais antes de contar com a colaboração de célebres designers como Ernest Bussière (1863-1913), Geo Condé (1891-1980), Émile Gallé (1846-1904), Edmond Lachenal (1855-1930), e os irmãos Joseph (1876-1961) e Pierre Mougin (1880-1955).

 

A K&G executou também várias e valiosas peças com decoração irisada, ao estilo de Clement Massier (1845-1917), mas foram as extraordinárias criações esculturais de Bussière (http://www.ecole-de-nancy.com/web/index.php?page=ernest-bussiere-2), dentro do estilo Art Nouveau, que vieram a consagrar e consolidar a imagem da fábrica nos grandes museus mundiais da especialidade.

 


mais sobre mim
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar