Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Janeiro 10 2011

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um coronel de Infantaria 19, em uniforme de 1806.

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

Este regimento tomou parte nas batalhas do Buçaco, a 27 de Setembro de 1810, Fuentes de Oñoro, a 5 de Março de 1811, Salamanca, a 22 de Julho de 1812, Vitoria, a 21 de Junho de 1813, Pirinéus, entre 28 e 30 de Junho de 1813, Nivelle, a 10 de Novembro de 1813, Nive, a 9 de Dezembro de 1813, e Orthez, a 27 de Fevereiro de 1814.

 

Interveio também nos combates do Buçaco, a 28 de Setembro de 1810, da Ponte de Valladolid, a 28 de Outubro de 1812, de Huerba e San Muñoz, a 17 de Novembro de 1812, de Alturas de Zarza, a 31 de Julho de 1813, de Echalar, a 2 de Agosto de 1813, de Zagaramurdi, a 13 e a 31 de Agosto de 1813, e Hastingues, a 23 de Fevereiro de 1814.

 

Participou ainda nos sítios da praça de Badajoz (segundo), desde 19 de Maio a 17 de Junho de 1811, da praça de Ciudad Rodrigo, desde 7 a 19 de Janeiro de 1812, e do forte do Retiro, em Madrid, entre 11 e 13 de Agosto de 1812.

 

Finalmente, interveio nos assaltos ao forte de S. Cristóvão de Badajoz, a 1 e 6 de Junho de 1811.

 

Na época, o Regimento de Infantaria 19 encontrava-se aquartelado em Cascais, onde recolheu a 29 de Agosto de 1814. Actualmente, este regimento encontra-se aquartelado em Chaves onde, na época da Guerra Peninsular, se encontravam estabelecidos o Regimento de Infantaria 12 e os Regimentos de Cavalaria 6 e 9.

 

 

PLANTA DA BATALHA DO NIVELLE em 10 de Novembro de 1813.

 

De acordo com a já referida obra de Luz Soriano, na época da Guerra Peninsular existiam vinte e quatro regimentos de Infantaria em Portugal, com os seguintes números e aquartelamentos – 1, em Belém, Lisboa, 2, em Lagos, 3, em Guimarães, 4, em Lisboa, 5, em Elvas, 6, no Porto, 7, em Setúbal, 8, em Castelo de Vide, 9, em Viana do Castelo, 10, em Santarém, 11, em Viseu, 12, em Chaves, 13, em Lisboa, 14, em Tavira, 15, em Braga, 16, em Lisboa, 17, em Elvas, 18, no Porto, 19, em Cascais, 20, em Abrantes, 21, em Valença, 22, em Leiria, 23, em Almeida, e 24, em Bragança.

 

Entre 1808 e 1814 os efectivos desses regimentos registaram os seguintes números totais – 29.122 em 1808, 32.925 em 1809, 36.356 em 1810, 34.999 em 1811, 37.417 em 1812, 35.226 em 1813 e 35.352 em 1814.

 

© MAFLS


Dezembro 29 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um oficial inglês do 52.º Regimento (Officer, 52nd Regiment).

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

© MAFLS


Dezembro 15 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um soldado inglês do 23.º Regimento (Private, 23rd Regiment).

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

© MAFLS


Novembro 27 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um oficial de Caçadores 2, em uniforme de 1810.

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

O Batalhão de Caçadores 2 esteve empenhado nas batalhas do Buçaco, a 27 de Setembro de 1810, de Fuentes de Oñoro, a 5 de Março de 1811, de Salamanca, a 22 de Julho de 1812, de Vitoria, a 21 de Julho de 1813, dos Pirinéus, entre 28 e 30 de Julho de 1813, de Nivelle, a 10 de Novembro de 1813, de Nive, a 9 de Dezembro de 1813, e de Orthez, a 27 de Fevereiro de 1814.

 

Participou também nos combates de Riobena, a 20 de Outubro de 1812, da ponte de Valladolid, a 28 de Outubro de 1812, de Huerba e San Muñoz, a 17 de Novembro de 1812, de Alturas de Zarza, a 31 de Julho de 1813, de Echalar, a 2 de Agosto de 1813, de Zugaramurdi, a 13 de Agosto de 1813, de Hastingues, a 23 de  Fevereiro de 1814, e Blaye, a 5 de Abril de 1814.

 

Interveio ainda nos sítios da Praça de Badajoz (segundo), entre 19 de Maio e 17 de Junho de 1811, da Praça de Ciudad Rodrigo, entre 7 e 19 de Janeiro de 1812, e do Fuerte del Retiro, em Madrid, entre 11 a 13 de Agosto de 1812.

 

Finalmente, refira-se que este batalhão tomou parte no assalto à Praça de Ciudad Rodrigo, a 19 de Janeiro de 1812.

 

PLANTA das OPERAÇÕES Á VOLTA DE BAYONNA desde Dezembro de 1813 a Fevereiro de 1814 e Batalha de 10 de Dezembro de 1813.

 

De acordo com a já referida obra de Luz Soriano, na época da Guerra Peninsular existiam doze batalhões de Caçadores em Portugal, com os seguintes números e aquartelamentos – 1, em Portalegre, 2, em Tomar, 3, em Vila Real, 4, em Penamacor, 5, em Miranda do Douro, 6, em Penafiel, 7, na Guarda, 8, em Trancoso, 9, em S. Pedro do Sul, 10, em Aveiro, 11, na Feira, e 12, em Ponte de Lima.

 

Entre 1808 e 1814 os efectivos desses batalhões registaram os seguintes números totais – 3.335 em 1808, 3.355 em 1809, 3.878 em 1810, 7.913 em 1811, 7.968 em 1812, 7.074 em 1813 e 6.352 em 1814.

 

Ainda de acordo com Luz Soriano, no final da guerra este Batalhão regressou ao seu aquartelamento a 19 de Agosto de 1814.

 

© MAFLS


Novembro 13 2010

 

Estatueta equestre, modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um cavaleiro do 14th Regiment de [sic] Dragoons, em uniforme de 1808.

 

Na tabela de Maio de 1960 esta peça surge sob o número 549/1, "Oficial Regimento 14 de Dragões", com o preço de 550$00 e uma indicação de 1.500 gramas de peso, segundo a cópia existente no CDMJA.

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

Fundado em 1715, este regimento britânico chegou à Peninsula Ibérica em 1808, tendo combatido na passagem do Douro, a 12 de Maio de 1809, em Talavera de la Reina, a 27 e 28 de Julho de 1809, em Barquilla, a 11 de Julho de 1810, no Coa, a 24 de Julho de 1810, em Fuentes de Oñoro, a 5 de Março de 1811, em Villagarcia, a 11 de Abril de 1812, em Salamanca, a 22 de Julho de 1812, no cerco de Badajoz, entre 17 de Março e 6 de Abril de 1812, em Ciudad Rodrigo, a 19 de Janeiro de 1812, e em Vitoria, a 21 de Junho de 1813.

 

© MAFLS


Novembro 01 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um oficial escocês do 93.º Regimento (Officer, 93rd Regiment).

 

Na tabela de Novembro de 1945 esta peça surge sob o número 413, "Oficial Escocês", com o preço de 200$00, para "Colorido s/ ouro".

 

Já na tabela de Maio de 1951 surge a 230$00, aparecendo também na tabela de Maio de 1960 com a mesma designação, o mesmo preço e uma indicação de 180 gramas de peso, segundo a cópia existente no CDMJA.

 

Para uma pequena nota sobre este regimento, consultar: http://mfls.blogs.sapo.pt/44151.html.

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

© MAFLS


Maio 31 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um soldado de Infantaria 6, em uniforme de 1810.

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

O Regimento de Infantaria 6, da Guarnição Militar do Porto, esteve empenhado em acções da Guerra Peninsular desde 1808 até 1814, em Portugal, Espanha e França.

 

Assim, participou no bloqueio da Praça de Almeida, entre 16 de Julho e 1 de Outubro de 1808, nas defesas do Porto, entre 26 e 29 de Março de 1809, da Ponte de Amarante, entre 18 de Abril e 2 de Maio do mesmo ano, e da passagem do Tormes, entre 8 e 14 de Novembro de 1812.

 

Interveio também nos combates da ponte de Alcantara, a 10 de Junho de 1809, Redinha, a 12 de Março de 1811, Arroio Molinos, a 28 de Outubro de 1811, Mirabet, a 18 de Maio de 1812, Berlanga, a 10 de Julho de 1812, Matilha, a 16 de Novembro de 1812, Berrueta, a 1 de Julho de 1813, Aniz, a 4 de Julho de 1813, Elizondo, a 5 de Julho de 1813, Urdach, a 8 de Julho e 4 de Agosto de 1813, Porto de Maia, a 25 de Julho de 1813, Lizasso, a 31 de Julho de 1813, Cambo, a 12 de Novembro de 1813, Garriz, a 15 de Fevereiro de 1814, Saint-Palais, a 16 de Fevereiro de 1814, e Aire, a 2 de Março de 1814.

 

Tomou ainda parte nas batalhas do Buçaco, a 27 de Setembro de 1810, Fuentes de Oñoro, a 5 de Março de 1811, Vitoria, a 21 de Junho de 1813, Pirinéus, entre 28 e 30 de Julho de 1913, Nivelle, a 10 de Novembro de 1813, Nive, a 9 de Dezembro de 1813, Orthez, a 27 de Fevereiro de 1814, e Toulouse, a 10 de Abril de 1814.

 

No final da guerra o Regimento de Infantaria 6 regressou ao seu aquartelamento em 15 de Agosto de 1814.

 

As informações referidas acima, bem como a planta reproduzida abaixo, constam da obra Historia da Guerra Civil e do Estabelecimento do Governo Parlamentar em Portugal [de 1777 a 1834], Tomo IV, Parte II (1876), de Simão José da Luz Soriano (1802-1891).

 

 

© MAFLS


Maio 19 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um servente de Artilharia 1, em uniforme de 1810.

 

Na tabela de Novembro de 1945 esta peça surge sob o número 412, "Servente Artilharia 1", com o preço de 175$00, para "Colorido s/ ouro".

 

Já na tabela de Maio de 1951 surge a 200$00, para "Côres Mates ou coloridos s/ ouro" aparecendo ainda na tabela de Maio de 1960 com a designação "Servente Artilharia Um", o mesmo preço para "Vidros cores s/ dec. Branco col. c/ ouro Pint. mod. s/ ouro"e uma indicação de 180 gramas de peso, segundo a cópia existente no CDMJA.

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

 

Portaria de 13 de Setembro de 1814 que estabeleceu um regime especial para os oficiais inferiores, cabos, serventes (anspeçadas), soldados e tambores mutilados e estropiados durante a Guerra Peninsular.

 

Esta portaria foi publicada no mesmo dia que uma outra com especificações particulares para os soldos e gratificações dos oficiais (cf. http://mfls.blogs.sapo.pt/37928.html).

 

© MAFLS


Maio 05 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um soldado escocês do 93.º Regimento (Private, 93rd Regiment).

 

Na tabela de Novembro de 1945 esta peça surge sob o número 413a, "Soldado Escocês", com o preço de 175$00, para "Colorido s/ ouro".

 

Já na tabela de Maio de 1951 surge a 200$00, aparecendo também na tabela de Maio de 1960 com a mesma designação, o mesmo preço e uma indicação de 180 gramas de peso, segundo a cópia existente no CDMJA.

 

Sendo este conjunto de estatuetas constituído essencialmente por representantes das unidades militares que participaram na Guerra Peninsular, é curioso notar que este regimento, formado em 1799 e extinto em 1881, tem a sua história particularmente associada a campanhas na América do Norte (1814 e 1815), na Crimeia (1854) e na Índia (1857).

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

© MAFLS


Abril 23 2010

 

Estatueta apeada modelada por Armando Mesquita (1907-1982), representando um cabo da 18.ª Brigada de Ordenanças, em uniforme de 1806. 

 

Na tabela de Maio de 1951 esta peça surge sob o número 411, "Cabo 18.º – Brigada Ordenança", com o preço de 200$00. Na tabela de Maio de 1960 surge com a designação "Cabo 18.ª Brigada Ordenança", com o mesmo preço e uma indicação de 180 gramas de peso, segundo a cópia existente no CDMJA.

 

Exemplar do acervo do Museu Municipal Leonel Trindade, Torres Vedras.

 

© MAFLS


mais sobre mim
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30


pesquisar