Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Maio 18 2016

 

Em cima, um prato em relevo, com cerca de 20,6 cm. de diâmetro, comercializado nas décadas de 1980 e 1990 mas apresentando um motivo característico da tradicional produção caldense que já vinha de décadas anteriores.

 

Em baixo, uma peça com cerca de 8,6 x 17,1 x 2,6 cm., que também pode ser utilizada como cinzeiro, comemorativa dos Encontros de Cerâmica Artística realizados em 1992.

 

 

Embora o Museu Bordalo Pinheiro, que não se dedica exclusivamente à cerâmica e abrange ainda o grafismo e outras vertentes da iniciativa e criatividade bordaliana, apenas tenha sido fundado em Agosto de 1916, em Lisboa, as celebrações do seu centenário iniciam-se hoje, para assinalar também o Dia Internacional dos Museus. 

 

Acompanhe as várias actividades do museu aqui: http://museubordalopinheiro.cm-lisboa.pt/.

 

 

© MAFLS


Agosto 31 2014

 

Pequena placa, com cerca de 6,4 x 2,7 cm., em argila vermelha brunida, de homenagem a Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905).

 

Modelada pelo seu discípulo Francisco Elias (1869-1937), como se verifica pela assinatura inscrita sob o busto, apesar de a data do sarau ser de 22 de Abril de 1906, esta parece ter sido uma peça evocativa dos 60 anos de nascimento de Rafael Bordalo Pinheiro, efeméride que decorrera a 21 de Março de 1906.

 

Para outras breves referências a Francisco Elias veja-se: http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/francisco+elias.

 

 

© MAFLS


Dezembro 28 2013

 

Jarra em faiança, com cerca de 14 cm. de altura, replicando o famoso modelo bordaliano das jarras com rãs.

 

Produzida numa tonalidade que evoca o azul cobalto e se distingue claramente do azul actualmente utilizado nas peças originárias da fábrica Bordallo Pinheiro (http://www.bordallopinheiro.pt/), esta jarra não apresenta qualquer marca para além da indicação Portugal, como se vê abaixo.

 

Provavelmente originária de uma fábrica da região sudoeste das Caldas da Rainha, esta peça comercializa-se a cerca de um quarto do preço das peças que saem das instalações da Bordallo Pinheiro.

 

 

© MAFLS


Junho 13 2013

 

A propósito dos santos populares, de Santo António e das festas de Lisboa evoca-se hoje o património azulejar português e a memória de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905), autor da iconografia do Zé Povinho aqui recriada, através da sardinha que Arminda Gomes Bernardino (datas desconhecidas) desenhou em 2012.

 

Apresentado pela primeira vez em 2003, este conceito da empresa Silvadesigners (http://www.silvadesigners.com/) tem-se consolidado como a imagem de marca das festas de Lisboa, alcançando projecção internacional ainda antes da implementação do primeiro concurso aberto a não profissionais, ocorrida em 2011.

 

No corrente ano foram submetidas a concurso 6.446 propostas, oriundas de 44 países, das quais se apuraram 151 finalistas que originaram 10 propostas premiadas – sete portuguesas, uma chilena, uma japonesa e uma italiana.

 

As primeiras sardinhas criadas pela empresa e as diversas criações posteriores, seleccionadas e premiadas desde que o conceito foi alargado a outros designers, podem ser vistas aqui: http://sardinhas.festasdelisboa.com/.

 

 

© MAFLS


Agosto 19 2012

 

Prato em faiança da fábrica Bordalo Pinheiro, Caldas da Rainha, decorado com motivos marinhos em relevo – algas, amêijoas, um berbigão, um pequeno búzio, mexilhões e percebes.

 

Característico, como se sabe, da produção oitocentista e novecentista de diversas fábricas caldenses, este tipo de decoração é muitas vezes enriquecido com a adição de diversos peixes e crustáceos.

 

Escrevendo em Os Gatos (seis volumes publicados entre 1889 e 1894; citação efectuada a partir do volume 6, editado em 1992 pelo Círculo de Leitores) sobre a cerâmica de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905) e a visita que efectuou às Caldas da Rainha em 27 de Setembro de 1892, Fialho de Almeida (1857-1911) declarou:

 

"A cerâmica de Bordalo abrange artefactos de louça caseira ou decorativa, azulejos, telha de cores, etc., constituindo a produção usual da fábrica, e obras de escultura, que são na desabrochante curva da vida artística do meu amigo a terceira grande fase monumental do seu talento."

 

 

Com efeito, pratos como este, que foi certamente produzido depois do falecimento de Rafael e seu filho Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro (1867-1920), mas seguia modelos executados em vida dos artistas, traduzem a convergência da produção bordaliana face à tradição cerâmica Caldense, a qual vinha na linha dos modelos quinhentistas do ceramista francês Palissy (1510-c.1590). 

 

Fialho de Almeida prosseguiu o seu texto no sentido de destacar não estas peças mais vulgares mas sim as figuras monumentais da Paixão de Cristo, executadas por Rafael para as capelas da mata do Buçaco, e a talha manuelina que foi adquirida nesse ano pelo rei D. Carlos (1863-1908; rei, 1889-1908).

 

Mas a dimensão da genialidade criativa e inovadora de Rafael na cerâmica define-se ainda com a monumental jarra Beethoven, com as figuras de movimento, com as peças únicas dedicadas a homenagear diversas personalidades, com as figuras de escárnio e maldizer produzidas entre o episódio do Ultimato (1890) e a captura (1895) do régulo Gungunhana (c.1850-1906) e com as inúmeras outras peças de cerâmica decorativa que a fábrica executou.

 

Um conjunto de sete pratos da colecção Berardo, utilizando essencialmente variantes da decoração aqui apresentada, pode ser visto no catálogo da exposição O Universo de Rafael Bordalo Pinheiro: da Caricatura à Cerâmica, realizada no Museu do Douro em 2009.

 

 

© MAFLS


Abril 01 2012

     

 

Ama das Caldas em faiança da fábrica Belo, Caldas da Rainha, produzida no segundo quartel do século XX.

 

Trata-se de uma versão da célebre figura de movimento criada em 1897 por Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905).

 

Em Portugal esta imagem associa-se imediatamente a Rafael, mas será interessante sublinhar que em Inglaterra existe uma versão intitulada The Brighton Wet Nurse, por alusão à famosa banheira dessa localidade, Martha Gunn (1726-1815), comercializada com a marca Rye B4.

 

Tendo Rafael exibido as suas criações na Exposição Universal de Paris, de 1889, onde a sua obra foi elogiada pelo curador do Museu de Sèvres, Edouard Garnier (datas desconhecidas), e na Feira Mundial de St. Louis, de 1904, e tendo-se também deslocado com seu filho Manuel Gustavo (1867-1920) à Exposição Universal de Paris, em 1900, é possível que estejamos perante um dos poucos casos em que as criações cerâmicas portuguesas foram reproduzidas por fábricas estrangeiras.

 

Conhecem-se outras versões desta figura, como a produzida pela fábrica caldense Cunha & Sucessores, que apresenta base convexa, tal como no original de Rafael, mas feições ligeiramente diferentes na ama e no bébé.

 

Embora nos últimos anos tenha vindo a promover a concepção e execução de novas peças, entre as quais se destaca a colecção que serviu para marcar os 125 anos da empresa (http://www.vistaalegreatlantis.com/product.aspx/Bordallo%20Pinheiro/Faian%C3%A7a/Premium/125%20Anos/), a Bordallo Pinheiro (http://www.bordallopinheiro.pt/) tem mantido a produção das figuras criadas por Rafael, por vezes com uma adaptação aos tempos actuais, como acontece com as peças que apresentam a inscrição Moody′s, um conceito que se deve à jornalista Anabela Mota Ribeiro (n. 1972).

 

Finalmente, compare-se a qualidade de pormenor e acabamento deste exemplar com as características das peças que actualmente são comercializadas pela empresa (cf. http://www.vistaalegreatlantis.com/detail.aspx/Figuras%20de%20Movimento/10152/), entretanto adquirida pelo grupo Vista Alegre / Atlantis, um grupo integrado no conglomerado empresarial Visabeira (http://www.grupovisabeira.pt/).

 

Esta peça foi exibida na exposição Portuguese Ceramics in the Art Deco Period, realizada nos EUA em 2005.

 

 

© MAFLS


Março 18 2012

          

 

Grande escultura em terracota pintada, com cerca de 56,8 cm. de altura, produzida na fábrica Moderna Industrial Decorativa, Limitada, de Coimbra.

 

A pintura que recobre esta terracota apresenta tons característicos das décadas de 1940 e 1950 em Portugal, sendo conhecidos muitos objectos, como molduras e outras peças em madeira, apresentando variantes desta tonalidade. São conhecidas ainda outras figuras, representando aves diferentes, com pintura beige.

 

Como nota curiosa, sublinhe-se que quer a marca impressa (não reproduzida pela sua má legibilidade) quer a etiqueta da Moderna Industrial Decorativa recordam a célebre marca triangular relevada da, então checoslovaca, fábrica Royal Dux, famosa pelas suas estatuetas em porcelana.

 

No entanto, esta aproximação monumental à modelação cerâmica evoca claramente, no contexto europeu, as peças de majólica oitocentista como o bengaleiro-cegonha, com cerca de 103 cm. de altura, produzido pela fábrica inglesa Minton & Co. em 1876, e o floreiro-cegonha, com cerca de 66 cm. de altura, produzido pela fábrica inglesa de Joseph Holdcroft, também no último quartel do século XIX.

 

No contexto nacional, as suas proporções evocam, apenas nesse aspecto, algumas das criações de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905), particularmente a peça que ilustra a fábula da raposa e do grou, reproduzida abaixo.

 

 

 

De acordo com o Diário do Governo, a sociedade Moderna Industrial Decorativa foi constituída por escritura de 19 de Abril de 1941, com um capital social de 50.000$00 e sede na Rua da Manutenção Militar, número 3, em Coimbra.

 

O capital estava equitativamente distribuído pelos cinco sócios, César Rodrigues Antero, industrial, João dos Reis, construtor civil, Francisco Caetano Ferreira, decorador, Bernardo Teles, construtor civil, e Carlos dos Reis, desenhador.

 

Esta empresa, que tinha "por objecto o exercício da indústria de estatuetas e artes decorativas", antecedeu assim em cerca de dois anos a constituição da mais conhecida e longeva Estatuária Artística de Coimbra.

 

Recorde-se que, na área da estatuária cerâmica, existiu ainda em Coimbra uma empresa denominada A Nova Decorativa (cf. http://mfls.blogs.sapo.pt/78219.html), dedicada também à produção de estatuetas em terracota pintada.

 

Muitas das suas estatuetas femininas são semelhantes, no formato e na pose das figuras, às produzidas pelas fábricas Goldscheider, na Áustria, Katzhütte, na Alemanha, e Royal Doulton, em Inglaterra.


 

© MAFLS


Fevereiro 22 2012

 

Caricatura do rei consorte D. Fernando (1816-1885), realizada por Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905).

 

Esta plaquette, a décima segunda do Album das Glórias (1880-1883 e 1902) foi publicada em Novembro de 1880 com o título O senhor D. Fernando, no texto, e o subtítulo Com-sorte, na gravura (cf. http://purl.pt/14828/2/res-523-a_PDF/res-523-a_PDF_24-C-R0150/res-523-a_0000_capa-capa_t24-C-R0150.pdf).

 

Entre outras considerações sobre D. Fernando, o autor desse texto, João Ribaixo (pseudónimo de José Duarte Ramalho Ortigão, 1836-1915), refere:

 

"Quando em 1868 lhe foi offerecido o throno de Hespanha, elle recusou-o, preferindo ficar em Portugal a cultivar o seu jardim e a colligir as suas majolicas.

 

Assim como os emissarios gregos ao penetrarem na tenda d'Achiles o surprehenderam a dedilhar uma lyra, como conta Homero, assim os emissarios da futura Revolução ao penetrarem no Palacio das Necessidades encontrarão o habitante d'aquelle velho convento a pintar um prato."

 

 

No final do texto pode ainda ler-se o seguinte:

 

"Ora o Senhor D. Fernando nunca escalou os cidadãos para perceber como elles trabalham por dentro, e é o primeiro dos operarios da fabrica de Sacavem.

 

Rei pintando louça, elle poderá dizer, sem magoar ninguem, perante a Carta e perante a posteridade, como nas Georgicas dizia Virgilio, tratando modestamente das abelhas:

 

In tenui labor; at tenuis non  gloria."

 

Alguns dos trabalhos executados por D. Fernando em loiça da FLS ainda hoje podem ser apreciados nas colecções do Palácio Nacional da Ajuda e do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

 

Da estreita ligação do monarca, de seu filho D. Luís (1838-1889; rei, 1861-1889) e de seu neto D. Carlos (1863-1908; rei, 1889-1908), à fábrica e ao seu dono, John Stott Howorth (1829-1893), resultaram a atribuição do título de barão a este (1885) e a concessão do título de Real à empresa, a qual poderá ter ocorrido antes dessa data.

 

Logo após a sua morte, D. Fernando foi homenageado pela FLS através de um prato que apresentava a sua fotografia estampada a preto e a inscrição Em Memória. / D. Fernando II.

 

Um exemplar desse prato foi exibido na exposição Porta Aberta às Memórias, segunda edição, realizada no MCS em 2009, e uma imagem do mesmo pode ser vista no catálogo do evento.

 


 

© MAFLS


Fevereiro 05 2012

 

Pequena jarra bulbosa em faiança da fábrica Bordalo Pinheiro, com cerca de 6,8 cm. de altura, decorada sob o vidrado e apresentando a escultura de um caranguejo aplicada em relevo.

 

Este é um formato comum na produção da fábrica, conhecendo-se peças semelhantes com maiores dimensões, nomeadamente com cerca de 8, 12 e 15 cm. de altura, mas sem a aplicação do caranguejo.

 

Pela data inscrita na base, 1908, vê-se que este é um exemplar produzido no ano em que a fábrica foi adquirida por Manuel Augusto Godinho Leal, embora ostente a marca de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905) e seja característico da sua produção.

 

Como se sabe, o ceramista francês Bernard Palissy (1510-1590) celebrizou no século XVI a cerâmica com aplicações em relevo, entre as quais surgiam várias peças com motivos marinhos, criando imagens que foram posteriormente seguidas por vários centros cerâmicos europeus.

 

Já na China, durante o período Kangxi (1662-1722), os motivos com peixes e crustáceos surgiam com frequência nas características decorações pintadas a azul sobre o fundo branco da porcelana.

 

 

As artes japonesas, largamente difundidas no Ocidente durante as últimas quatro décadas do século XIX, vieram novamente avivar o interesse ocidental pelos motivos marinhos que surgiam profusamente nas mais pequenas peças do quotidiano japonês, como os okimono, os netsuke, as tsuba, bem como nas populares xilogravuras, quer em kakemono quer em surimono.

 

Esta pequena caixa japonesa, em bronze patinado com aplicações em latão, ilustra perfeitamente no exíguo espaço da sua tampa essa profusão de elementos marinhos – uma lagosta, uma amêijoa, um polvo, um caranguejo, três peixes e um mexilhão.

 

Em França, o consagrado ceramista Adrien Dalpayrat (1844-1910) criou também pequenas jarras ao gosto nipónico, com aplicação de crustáceos em relevo. Umas dessas peças, com uma sapateira (Cancer pagurus L.) aplicada sobre um vidrado vermelho de cobre, recorda o presente exemplar de Bordalo, salvaguardadas as devidas distâncias entre as qualidades e caraterísticas dos diferentes vidrados.

 

Ainda em França, no mesmo período, diferentes ceramistas, como Charles Greber (1853-1935), e diferentes fábricas, como a Denbac (cf. http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/tag/denbac e http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/tag/denbac), produziram peças com crustáceos  e motivos marinhos aplicados em relevo, prática que também ocorria no resto da Europa e nos EUA.

 

Entretanto, em Portugal, os motivos marinhos aplicados em relevo vieram a tornar-se uma das imagens de marca da cerâmica das Caldas da Rainha, em geral, bem como das peças de Rafael e seu filho Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro (1867-1920). 

 

Com a decoração desta pequena jarra estamos, portanto, perante uma imagem comum na cerâmica caldense e bordaliana.

 

 

Mas esta imagem vulgar ganha nova dimensão se recordarmos um dos desenhos de Manuel Gustavo publicado em A Paródia, número 30, de 8 de Agosto de 1900. 

 

Surgindo na primeira página da publicação, e incluído numa série de críticas às instituições e à situação do país, o desenho é acompanhado da legenda "O Progresso Nacional: o grande Caranguejo." 

 

Com este pano de fundo, a mordacidade crítica de Rafael e Manuel Gustavo não podem deixar de nos sugerir novas leituras das suas mais simples e, aparentemente, inócuas produções cerâmicas.

 

Vejam-se alguns desenhos destes autores nos seguintes espaços (as imagens truncadas podem ser visionadas na íntegra depois de guardadas): http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/?skip=10&tag=rafael+bordalo+pinheiro, http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/tag/manuel+gustavo+bordalo+pinheiro, e http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/tag/rafael+bordalo+pinheiro.

 

 

© MAFLS


Janeiro 29 2011

 

 

 

Canjirão em pasta cerâmica vermelha, com decoração escorrida sob o vidrado.

 

Embora não ostente marca visível, apresenta as características de produção dos vidrados escorridos das Caldas da Rainha, sendo muito provavelmente uma peça da fábrica de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905) ou da fábrica San Rafael, criada por seu filho Manuel Gustavo Pinheiro (1867-1920).

 

Note-se o pormenor orientalizante das curvas da tampa e da asa, que remetem para as traves ou os arcos dos portões japoneses, de tradição xintoísta, conhecidos como torii.

 

© MAFLS


mais sobre mim
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


pesquisar