Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Agosto 20 2017

 

Conjunto de bule e açucareiro, em faiança da fábrica Secla, das Caldas da Rainha, com vidrado verde semi-mate.

 

Note-se como estes formatos, embora tenham sido produzidos e comercializados no pós-guerra, podem perfeitamente enquadrar-se na gramática Art Déco.

 

 

© MAFLS


Julho 23 2017

 

Peça para sala de fumo, com cerca de 6,3 x 13,7 x 6,9 cm., em faiança da fábrica Secla, das Caldas da Rainha.

 

 

© MAFLS


Fevereiro 19 2017

 

Dois açucareiros em faiança da fábrica Secla, Caldas da Rainha.

 

Este formato, com o código P.2942, foi concebido cerca de 1970 pelo designer Joaquim Alberto Pinto Ribeiro (1921-1989), fundador e gerente responsável pela fábrica Secla, para um serviço de café.

 

Exemplares semelhantes estão ilustrados na página 109 do livro A Nova Cerâmica das Caldas (1989), da autoria do mesmo Alberto Pinto Ribeiro, e na página 131 do catálogo da exposição Estúdio Secla: Uma renovação na cerâmica portuguesa, realizada em 1999 no Museu Nacional do Azulejo.

 

 

© MAFLS


Novembro 05 2016

Pequena travessa, com cerca de 17,6 x 23 x 2,1 cm., em faiança da fábrica Secla, Caldas da Rainha.

 

Enquadrando-se claramente na série de motivos regionais comercializada a partir dos desenhos originais concebidos por Hansi Staël (1913-1961), este exemplar não ostenta, contudo, as duas iniciais –  as de  H. S. e as do/a pintor/a da fábrica, que habitualmente surgem junto à marca manuscrita, limitando-se a apresentar apenas a inicial "S", que corresponderá a quem executou a reprodução.

 

 

© MAFLS


Outubro 22 2016

Espremedor para citrinos, com cerca de 8,7 x 21,8 x 9 cm., em faiança da fábrica Secla, das Caldas da Rainha.

 

 

© MAFLS


Setembro 02 2016

 

Até ao próximo domingo, dia 4 de Setembro de 2016, poderá ainda visitar a exposição "Decorativo, Apenas?" – Júlio Pomar e a Integração das Artes, patente no Atelier-Museu Júlio Pomar, em Lisboa.

 

Num espaço amplo e luminoso, concebido pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira (n. 1933), podem encontrar-se peças do acervo do Atelier-Museu, de outras instituições similares e de coleccionadores privados, que ilustram a criação do artista nos mais diversos suportes, desde a cerâmica, ou o vidro, até ao alumínio, ou a tapeçaria, e nas mais diversas técnicas, como a gravura sobre papel ou o óleo sobre tela.

 

Com curadoria de Catarina Rosendo (n. 1972), este conjunto expositivo propõe-nos também retomar, a partir de uma interrogação do próprio artista, a problemática da menorização, teórica e crítica, das chamadas artes decorativas, questionando ainda a validade desta adjectivação.

 

Considerando as posições que já haviam sido assumidas, no século XIX, pelos artistas do movimento Arts & Crafts e que Raul Lino (1879-1974) retomaria em Portugal no princípio do século XX, esta proposta não deixa de nos levar a reflectir sobre o eventual paradoxo que surge na produção cerâmica de Júlio Pomar durante a década de 1950.

 

 

De facto, numa época em que esteve profundamente ligado ao Neo-Realismo, com os seus paradigmas da arte para o povo, próxima do povo e que do povo emanava, Pomar não executou nem promoveu a criação de múltiplos cerâmicos, como a artista húngara Hansi Staël (1913-1961) condescendeu em criar para a Secla, das Caldas da Rainha (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/hansi+sta%C3%ABl), insistindo na realização de peças únicas, fosse na Cerâmica Bombarralense ou na Secla, fosse ainda nas outras fábricas onde desenvolveu os seus painéis azulejares.

 

O conjunto exposto evoca, na subtileza ou no explícito de uma ou outra imagem, as diversas influências de Pomar nas décadas de 1940 e 1950, que parecem remeter claramente para obras de artistas tão diversos como Pablo Picasso (1881-1973), Jean Lurçat (1892-1966) ou Cândido Portinari (1903-1962).

 

Enquanto princípio de conservação e valorização de acervos cerâmicos, aproveite-se também a oportunidade para comprovar que certas peças danificadas, como a que ilustra o cartaz da exposição e as duas aqui reproduzidas, não se limitam a ter apenas um mero valor histórico ou documental.

 

 

Veja-se ainda um prato de Pomar, datado de 1951, provavelmente executado na Cerâmica Bombarralense e que não se encontra no Atelier-Museu, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/148664.html.

 

A propósito deste exemplar, e apesar do exíguo espaço temporal disponível para a sua hipotética execução nesse ano, note-se que a exposição de Pomar realizada entre 10 e 20 de Janeiro de 1951, na Livraria Portugália, Porto, exibiu uma peça cerâmica, sob o número 73 e ao preço de 350$00, intitulada "Uma sereia".

 

Como nota de interesse bibliográfico e documental, refira-se a edição de um catálogo do evento, o qual deverá estar disponível ainda este mês, ou no próximo mês de Outubro, e onde se corrigirá certamente o deslize de não haver indicação das dimensões das peças.

 

Diga-se, contudo, que parece perpassar sobre este luminoso espaço e esta belíssima exposição a sombra de ter passado largamente despercebida... Aproveitem-se, pois, os dois dias que ainda restam e a entrada gratuita. 

 

O Atelier-Museu está aberto entre as 10H00 e as 18h00.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Agosto 14 2016

 

Paliteiro em faiança, com cerca de 12,4 x 5,2 x 2,2 cm., ostentando nos flancos as inscrições HOTEL do FACHO / FOZ do ARELHO - PORTUGAL e na base a assinatura manuscrita M. Antónia / C. da RAINHA.

 

A assinatura corresponde a Maria Antónia Parâmos (1922-1976), ceramista e pintora caldense que colaborou com a fábrica Secla em 1954 e 1955.

 

Inaugurado em 1910, o centenário Hotel do Facho passou por algumas vicissitudes, mas foi entretando recuperado e encontra-se actualmente a funcionar em pleno (https://fachoguesthouse.wordpress.com/myhome/fachoguesthouse/).

 

 

© MAFLS


Maio 22 2016

 

Medalha em faiança, com cerca de 9,4 cm. de diâmetro, produzida em 1979 e ostentando uma imagem alusiva ao Mosteiro da Batalha, situado no concelho homónimo, bem como a assinatura manuscrita "Furriel".

 

Como já foi aqui referido anteriormente (http://mfls.blogs.sapo.pt/outras-fabricas-outras-loicas-cxcv-297225), Francisco Jorge Furriel (1925-2014), ingressou na fábrica Secla em 1953, onde veio a chefiar a secção de pintura, tendo aí permanecido até à sua aposentação, na década de 1990.

 

 

© MAFLS


Fevereiro 28 2016

 

Castiçal apresentando decoração moldada em relevo, com cerca de 12 cm. de altura e 14,4 cm. de diâmetro máximo, em faiança da fábrica Secla, das Caldas da Rainha.

 

Deste modelo, muito provavelmente criado na década de 1960, conhecem-se também exemplares noutras tonalidades, como cor de mel e verde garrafa.

 

Serve esta imagem para recordar que a exposição Desejo, Tensão, Transição – Percursos do Design Português, integrada na  EXPERIMENTADESIGN 2015 e patente na Galeria Nave, em Matosinhos, poderá ainda ser visitada até ao dia 12 de Março de 2016.

 

Neste evento podem observar-se vários módulos dedicados à cerâmica, particularmente Geometria das Cores, módulo centrado nos arquivos da FLS, com curadoria de José Bártolo, Usar e Não Deitar Fora, módulo dedicado à cerâmica portuguesa da segunda metade do século XX, com curadoria de Rita Gomes Ferrão, e Vista Alegre, módulo constituído por 40 peças contemporâneas desta fábrica, com curadoria de Alda Tomás.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 21 2015

 

O programa Perdidos e Achados, do canal SIC Notícias, divulgou ontem uma peça, intitulada Viagem pela Cerâmica Portuguesa, sobre a cerâmica portuguesa, em geral, e sobre a produção das Caldas da Rainha, em particular.

 

Nesta peça televisiva, com 13 minutos e 21 segundos de duração, que ao longo da semana vinha sendo anunciada com o título genérico "A Arte em Cacos", registam-se depoimentos de antigas funcionárias da Secla, de gestores empresariais, de marchands, de curadores, de coleccionadores e de investigadores de cerâmica, entre os quais surge a incontornável autora do blog Cerâmica Modernista em Portugal (http://ceramicamodernistaemportugal.blogspot.pt/), Rita Gomes Ferrão.

 

A propósito da produção de outras notáveis regiões cerâmicas portuguesas, como a região de Aveiro, reproduz-se aqui uma das muitas e excelentes peças que foram comercializadas pela, também incontornável, fábrica Aleluia durante as décadas de 1950 e 1960.

 

Veja-se a reportagem da SIC Notícias aqui: http://sicnoticias.sapo.pt/programas/perdidoseachados/2015-06-20-Viagem-pela-ceramica-portuguesa.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds