Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Junho 10 2018

 

Pequena caixa em porcelana da Vista Alegre, Ílhavo.

 

Mais um exemplo das peças evocativas do período Art Déco - a designação flapper remete precisamente para as irreverentes jovens das décadas de 1920 e 1930, que a Vista Alegre tem desenvolvido nos últimos anos.

 

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 02 2018

 

Pequeno azulejo, com cerca de 6,5 x 6,5 cm., em faiança da fábrica Aleluia, Aveiro.

 

Integralmente pintado à mão, este exemplar, que já saíu da fábrica com o cordão colorido para suspensão, ostenta um dos anexins popularizados durante as primeiras décadas do Estado Novo.

 

As inúmeras variantes destes anexins e adágios, como já foi referido, foram reproduzidas por inúmeras fábricas portuguesas de cerâmica, particularmente nas décadas de 1940 e 1950.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 30 2018

 

Entre os dias 1 e 3 de Junho de 2018 decorre em Alcobaça, no Mercado Municipal, o segundo fim-de-semana integrado na iniciativa Bom Dia Cerâmica.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 23 2018

 

No próximo sábado, dia 26 de Maio de 2018, pelas 15h00, decorrerá no Museu de Cerâmica de Sacavém mais uma sessão da série À Conversa Com..., desta vez com a presença de Manuel Apóstolo.

 

A conversa deste mês será dedicada ao tema A produção da Fábrica de Sacavém entre Manuel Joaquim Afonso e a vigência dos Howorth.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 22 2018

 

Júlio Pomar (10 de Janeiro de 1926 - 22 de Maio de 2018), in memoriam.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 19 2018

 

Pequena leiteira, em porcelana da Vista Alegre, Ílhavo, ostentando decoração estampada e as legendas "O melhor café é o d'A Brazileira" e "A Brazileira / Lisbôa".

 

 

Curiosamente, esta marca da VA permite especular que a peça poderá ter sido contemporânea da presença na cafetaria de um dos seus mais famosos frequentadores, Fernando Pessoa (1888-1935).

 

Fundada em 1905, a empresa A Brasileira criou em 1908 a sua cafetaria no Chiado, em Lisboa, onde desde a década de 1980, na esplanada, pode ser vista a conhecida escultura de Lagoa Henriques (1923-2009) dedicada ao poeta.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 13 2018

 

Duas jarras em faiança, ambas com cerca de 28,8 cm. de altura, produzidas na Cerâmica Lourenço, de Maria Inês Calisto Machado, situada em Roriz, Barcelos.

 

Modeladas cerca de 2006, estas jarras ilustram formatos que, apesar de vidrados com um colorido característico da região, se afastam claramente das típicas loiças decorativas e utilitárias de Barcelos.

 

Exportando para países como a Alemanha, Holanda e Suíça, a empresa faz mesmo questão de destacar, na sua página (http://ceramicalourenco.pai.pt/), as declarações: "Somos especializados em cerâmica artística" e "Não fazemos imagens nem animais em cerâmica".

 

Note-se como o modelo da primeira jarra se aproxima de formatos modernistas, britânicos e escandinavos, do último quartel do século XIX e de inícios do século XX, tal como se pode observar neste exemplar da fábrica finlandesa Arabia: https://mfls.blogs.sapo.pt/211277.html.

 

Como já foi referido, esses formatos tiveram também, pelo menos, uma variante portuguesa na primeira metade do século XX, produzida pela fábrica da Fonte Nova, em Aveiro: https://mfls.blogs.sapo.pt/263528.html.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 05 2018

 

Mostardeira, pequena molheira, ou ainda jardinière em miniatura, com cerca de 6,8 x 13,8 x 6,8 cm., em porcelana da Sociedade de Porcelanas, Coimbra.

 

Note-se como a tradicional decoração de florinhas estampadas, complementadas com filetagem dourada, apresenta uma, na altura da sua produção, moderna e estilizada gramática floral, que se conjuga com o invulgar e inovador formato desta pequena peça.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 29 2018

 

Jarra bojuda, ou cachepot, com cerca de 25 cm. de altura e 23,8 cm. de diâmetro máximo, da autoria do artista plástico moçambicano Inácio Matsinhe (n. 1945).

 

Note-se como este exemplar assume e explora as imperfeições do vidrado, conjugando-as com motivos que sugerem frutas e vegetais sobre um fundo evocativo de uma origem terrosa.

 

Veja-se outra peça cerâmica do mesmo autor, produzida dez anos depois desta, aqui: https://mfls.blogs.sapo.pt/outras-fabricas-outras-loicas-ccxxxv-337311.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 21 2018

 

Pequena escultura, em faiança, representando um cervo.

 

Embora esta peça não apresente qualquer marca, conhece-se um exemplar semelhante com a marca circular da Estatuária, de Coimbra.

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar
 
subscrever feeds