Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Abril 29 2012

 

Prato fundo de cozinha, com cerca de 32 cm. de diâmetro, decorado a aerógrafo no rebordo e stencil (chapa recortada) no centro, sob o vidrado.

 

Como se verifica pela marca, aplicada também sobre chapa recortada, trata-se de uma peça produzida numa oficina das Lages, eventualmente da família Frutuoso (cf. http://mfls.blogs.sapo.pt/133106.html), no concelho de Coimbra.

 

 

©  MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Caro MAFLS,
Tenho um prato com marca das Lages, que penso também ser fabrico de José Augusto Frutuoso, mas é um pouco diferente desta. Pode ser que a mostre um dia no blogue.
Agora vou-lhe confessar uma coisa, aliás duas: já por várias vezes tentei fazer-me seguidora do seu blogue mas esbarro sempre com dificuldades no registo; por outro lado tenho dificuldade em fazer visitas prolongadas e alguma pesquisa na barra esquerda por causa do fundo preto e as letras num tom cinzento que não sobressai.
Desculpe a franqueza, foi uma opção sua e no campo estético bem conseguida mas a verdade é que, pelo menos no meu caso, dificulta a visão. Problemas de quem não vai para nova... :)
Cumprimentos
Maria Andrade a 1 de Maio de 2012 às 22:52

Viva, Maria Andrade.
É uma pena que não existam (mais) estudos sobre o envolvimento da família Frutuoso na cerâmica de Coimbra e das Lages e a relação da Estatuária com as oficinas Frutuoso.
Acredito que a designação, exclusiva, Frutuoso na cerâmica floral a azul, e/ou policromia, cessou com o advento da Estatuária, mas era interessante conhecer mais estudos sobre a tradição cerâmica nesta família.
O problema quanto ao registo como seguidora poderá prender-se com o facto de este apenas poder ser feito através do Blog da Rua Nove, que continua a abrigar todos os outros.
Quanto às limitações de visibilidade das letras a cinzento nas tags, pode ser ultrapassada através da selecção "todas as tags", que remete para texto em letras a branco.
Já há alguns meses alguém tinha apontado essa limitação, creio que a própria Maria Andrade, mas a opção estética e funcional é destacar as imagens e não criar interferências através do colorido dos textos laterais.
Saudações!

Muito obrigada pela dica, que já funcionou, e pude ver muitas etiquetas de que nunca me tinha apercebido.
Vi por exemplo a de Clarice Cliff e constatei que tinha feito um post em Março com uma chávena dela. Nem de propósito, mesmo sem ter visto, fiz a publicação sobre Clarice Cliff em Abril :)
Não me lembro de já aqui ter referido esse problema de falta de visibilidade, mas sei que há outras pessoas que sentem dificuldades com estes fundos a preto.
De qualquer forma, compreendo perfeitamente a sua opção, as peças sobressaem muito mais e o efeito visual é muito bonito.
Cumprimentos

Um prato muito bonito e extremamente simpático! Sei que me repito, mas o fato é que não me canço de gostar das decorações simples, feitas com estanhola, pincel, rolinho e aerógrafo!
Onrigado por ter compartilhado.
abraços
Fábio
Fábio Carvalho a 2 de Maio de 2012 às 12:22

Bem-vindo de volta, Flávio.
Quase dá vontade de arranjar um boa sucessão de decorações a stencil e aerógrafo só para satisfazer essa sua preferência... : ) Pena é que tais peças, em boas condições, não surjam com frequência...
Abraço!

Imagino que peças com este tipo de decoração, em bom estado, não seja muito comum pois provavelmente eram peças produzidas para camadas mais populares, ou para usos mais cotidianos e triviais. O mesmo acontece por aqui, mas eu nem ligo para quando as peças tem lascados menores ou arranhões ou desgaste na decoração. Se gosto da decoração, compro assim mesmo!
O que mais gosto nestas decorações é que nunca uma peça é igual à outra, e as pequenas imperfeições de aplicação de tinta, ou de encaixe e posicionamento do stencil é que, para mim, deixam transparecer o indivíduo por trás da máquina industrial.
Só uma correção final, sei que parece bobagem, mas quando é o nome da gente sempre é um pouco incômodo: meu nome é Fábio, como pode ser vista na assinatura dos comentários.
abraços!
Fábio

Peço desculpa, Fábio. Lapso meu.
"Distinguo" perfeitamente o Fábio do Flávio, com quem o Fábio também costuma comentar, mas hoje, apressada e inconscientemente saiu assim.
Senti-me, no entanto, suficientemente embaraçado para verificar se alguma outra vez tal já teria sucedido...

mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13

17
19

23
25
27



arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

pesquisar