Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Novembro 13 2009

 

Grande figura de urso polar em faiança, no estilo Art Déco.

 

A tabela de preços da FLS de 1945 apresenta esta figura sob o número 206, Figura Urso, ao preço de 105$50, para exemplares coloridos sem ouro, e a de 1951, ao preço de 121$50, para peças de cores mates ou coloridas sem ouro. A peça já não está referenciada na tabela de 1960.

 

Esta escultura foi também comercializada pela fábrica inglesa Copeland and Spode, na década de 1930, em faiança onyx (modelo K.447). Nesta fábrica, a autoria do modelo original é atribuída ao escultor norueguês Erling ("Eric") B. Olsen (1903-1992), que anteriormente trabalhara na Wedgwood e ingressara na Copeland em 1932. Depois de 1945, Olsen tornou-se o designer principal da empresa cerâmica americana Haeger Potteries, em Illinois.

 

Existe uma versão posterior desta peça, em barro parian, no acervo do Museu de Cerâmica de Sacavém. Esse exemplar foi exibido na exposição Portuguese Ceramics in the Art Deco Period, realizada nos EUA em 2005.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Esta peça foi ainda reeditada pela SECLA em 2008, imediatamente antes de fechar, tal como outras (macaco, corsas, etc.) realizadas anos antes pela Fábrica de Sacavém. Terão os moldes sido adquiridos pela SECLA à Fábrica de Sacavém, que já estava encerrada, ou terão chegado à SECLA por outra via? Obrigada.
Rita Ferrão a 19 de Junho de 2011 às 13:06

Grato pela informação, que desconhecia.

As figuras da FLS foram produzidas em faiança com vidrado brilhante, as mais antigas, em barro parian (biscuit) e em grés com vidrado mate, as mais recentes.

Seria interessante saber qual a pasta e o vidrado das peças da Secla.

Quanto à forma como os moldes chegaram à fábrica das Caldas da Rainha, talvez os/as peritos/as do Museu de Cerâmica de Sacavém disponham de alguma informação sobre o facto.

No entanto, os antigos responsáveis da Secla disporão certamente de dados sobre este assunto.Desde já aqui fica renovado o convite para que essa informação seja divulgada.

Saudações.

De facto, quando vi estas peças pela primeira vez ocorreu-me que os originais fossem britânicos, pois são muito semelhantes aos animais desenhados por John Skeaping para a Wedgwood a partir de 1926. As primeiras peças de Skeaping têm vidrado mate, ao contrário das da FLS, talvez o escultor Eric B. Olsen tenha trabalhado directamente com Skeaping na Wedgwood. Quando à reedição da SECLA, não sei se chegou ao mercado, uma vez que as peças que possuo ou tenho acesso (urso, corsas e macaco) foram adquiridas na loja da fábrica, já depois dela ter fechado, e estão marcadas com a última marca da SECLA. O urso e o macaco têm vidrado mate, as corsas têm o típico vidrado brilhante cor de caramelo da SECLA, mas lembro-me que também existiam em branco mate, sobre a pasta ou outras especificidades técnicas não consigo dar informações, mas posso enviar imagens ou mostrar as peças. Já agora, gostaria de saber se me permite a utilização de algumas das imagens do seu blog num forum internacional de cerâmica, onde tenho tentado divulgar a produção portuguesa do século XX. Muito obrigada. Cordialmente, RF
Rita Ferrão a 20 de Junho de 2011 às 14:24

Grato por mais este seu contributo.

A gramática de Skeaping é de facto ecléctica, como se verifica comparando as suas criações para a Wedgwood com os desenhos publicados na sua obra Animal Drawing (1936), mas a modelação particular desta figura não lhe será atribuível.

A sua produção inicial para a Wedgwood, em 1927, limitou-se apenas a 14 modelos, sendo o seu urso polar bastante distinto deste,como se pode observar na página 56 do livro Art Deco and Modernist Ceramics (1995), de Karen McReady.

Aí se verifica que as corças e os macacos são também distintos dos da FLS. Aliás, estas figuras serão muito provavelmente da autoria de Donald Gilbert (cf. http://mfls.blogs.sapo.pt/9909.html ), que produziu modelos para diversas fábricas inglesas e tinha laços familiares com os administradores da FLS.

Terei todo gosto em receber imagens das suas peças para publicação, mas agradeço que sejam fotografadas sobre fundo negro, sem brilho, para manterem uniformidade com a imagem do blog.

Não tenho qualquer objecção à reprodução pública das imagens aqui divulgadas desde que seja referida a sua autoria, a sua origem e os seus direitos reservados de copyright.

Saudações.

MAFLS.

Obrigada por todas as informações. Segundo o diz, então o urso não será do mesmo autor das corsas e do macaco, quais serão os mais antigos na produção da FLS? Aproveito ainda para perguntar que bibliografia aconselharia a propósito da produção cerâmica em Portugal nas décadas de 1950 e 1960, para além dos volumes sobre a SECLA "A Nova Cerâmica das Caldas" e "Estúdio SECLA".
Neste momento não disponho de fotos com as características que exige, talvez mais tarde. Agradeço também a permissão para utilizar algumas imagens, devidamente identificadas, claro.
Cordialmente, RF
Anónimo a 24 de Junho de 2011 às 16:38

Este urso corresponde ao que o escultor norueguês Erling ("Eric") Olsen produziu para a fábrica inglesa Copeland and Spode.

O macaco da FLS foi modelado por Donald Gilbert, pois um dos exemplares expostos em 2005 na exposição Portuguese Ceramics of The Art Deco Period, do acervo do MCS, está assinado Gilbert Sc. A peça criada por Skeaping para a Wedgwood apresenta uma cria com a mãe.

A corça, que também foi exibida nos EUA, não apresenta assinatura visível mas é diferente do modelo de Skeaping, tendo provavelmente sido também modelada por Gilbert.

Todos os modelos originais serão da década de 1930, tendo o macaco o número 191, a corça o número 187, e o urso o número 206, de acordo com a tabela de 1945. Existe ainda uma figura intitulada Macaca com filho, sob o número 192, que poderá corresponder ao modelo de Skeaping, mas nunca tive oportunidade de ver qualquer exemplar.

Quanto à bibliografia sobre a cerâmica das décadas de 1950 e 1960, em Portugal, debatemo-nos com manifesta escassez de títulos publicados.

Aos já referidos, acrescentaria o também já aqui mencionado catálogo Maria de Lourdes Castro: Uma Exposição Biográfica (2005), o catálogo 50 Anos de Cerâmica Caldense, 1930-1980 (1990) e a monografia Vista Alegre: Porcelanas (1989). Para além destes títulos, existem diversas comunicações e artigos publicados em revistas.

Saudações.

mais sobre mim
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

pesquisar