Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Dezembro 31 2012

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 23:59

Dezembro 31 2012

 

Jarra de Louis Dage (1873-1963), com cerca 11 de cm. de altura e 23,4 cm. de diâmetro máximo, em faiança e com aplicações de ferro forjado. 

 

Embora a sua actividade de ceramista lhe tenha merecido, em 1924, a designação de meilleur ouvrier de France, alguma da sua produção tenha sido expressamente realizada para as afamadas galerias Printemps, de Paris, e as suas peças integrem diversas colecções públicas e privadas, é muito escassa a bibliografia sobre a sua obra e pouco se sabe sobre Louis-Auguste Dage.

As suas criações cerâmicas, características do período Art Déco, apresentam vidrado espesso sobre o qual se aplicam muitas vezes decorações florais estilizadas. Menos vulgares são os exemplares com aplicação de ferro forjado, como o que se ilustra.

 

De acordo com algumas fontes, a inscrição manuscrita que se encontra na base desta jarra, VAL, corresponde à identidade do autor das aplicações metálicas, Eugène Val (datas desconhecidas), e o número, neste caso 69, ao modelo dessa aplicação.

 

Esta hipótese é consistente com outras peças conhecidas apresentando diferentes aplicações em ferro forjado, as quais ostentam também a mesma inscrição combinada com numeração diversa, mas não foi possível obter qualquer informação complementar sobre tal autor.

 

Vejam-se outras peças de Dage, em colecções portuguesas, aqui: http://modernaumaoutranemtanto.blogspot.pt/search/label/Dage.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 00:01

Dezembro 30 2012

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 23:59

Dezembro 30 2012

 

Taça com vidrado monocromático azul.

 

Veja-se um conjunto de chávena e pires, com vidrado semelhante, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/91130.html, e algumas taças de aperitivos mais pequenas, mas com formato semelhante, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/13526.html.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Dezembro 30 2012

 

 

Jarra em faiança, com cerca de 26,6 cm. de altura, apresentando efeito craquelé induzido e assinatura correspondente ao monograma de Henri Chaumeil (1877-1944).

 

Antes da I Grande Guerra (1914-1918), Chaumeil exibiu no Salon des Artistes Indépendants, tendo depois do conflito participado no Salon d'Automne e no Salon des Artistes Décorateurs.

 

Contudo, foi a partir da década de 1920, já com a colaboração do seu filho Paul (1902-1984), que as criações cerâmicas de Henri Chaumeil se vieram a consagrar, chegando a ser comercializadas na famosa galeria Rouard, situada na avenue de l’Opéra, em Paris.

 

A imagem de marca de Chaumeil, dentro da gramática Art Déco, foi a cerâmica com motivos estilizados, de bagas ou flores, aplicados sobre acabamento craquelé, conhecendo-se, no entanto, exemplares com motivos de inspiração medieval executados com a técnica de sgraffito.

 

Ao contrário do que acontece com diversas outras peças Art Déco de Chaumeil, cuja técnica de corda seca, para separar as cores e destacar a decoração do fundo craquelé, remete para a produção da fábrica belga Boch Frères / Keramis e da fábrica francesa Longwy, o motivo decorativo desta jarra foi pintado sobre o craquelé e quase não apresenta qualquer relevo perceptível ao tacto.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 00:01

Dezembro 29 2012

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 23:59

Dezembro 29 2012

 

Saleiro em faiança com decoração complementar a dourado, sobre o vidrado.

 

Executado em oficina não identificada, será muito provavelmente de fabrico português.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Dezembro 29 2012

 

 

Fundada em 1903 pelo conde Charles Henri Olivier Hallez d'Arros (1842-1904?), a fábrica La Faïencerie Héraldique depressa passou a ser popularmente conhecida pelo nome da localidade francesa onde se situava - Pierrefonds.

 

Apesar da sua designação, a fábrica produziu peças em faiança mas também em grés, sendo estas últimas as que mais contribuiram para sua consagração. O fundo cromático predominante era um amarelo mostarda, a que se sobrepunham os famosos cristais azuis, mas também surgiam, com menor frequência, peças com um fundo de uma tonalidade mais esverdeada, a que se sobrepunham cristais verdes.

 

Muito embora nem a modelagem das peças (são notáveis apenas duas ou três dezenas delas) atinja a qualidade estética da fábrica Denbac, nem o controle de  distribuição e crescimento de microcristais atinja a perfeição da fábrica Sarreguemines, a produção da fábrica Pierrefonds é considerada um expoente da cerâmica Art Nouveau de microcristais, sendo as suas peças avidamente coleccionadas hoje em dia.

 

   Página de um catálogo não datado da fábrica La Faïencerie Héraldique.

 

A tendência decorativa Art Nouveau sucedeu a uma primeira abordagem de revivalismo histórico, no seguimento do movimento Historismus da segunda metade do século XIX, e foi adoptada na fábrica com a chegada em 1912 do ceramista  Émile Bouillon (datas desconhecidas), o qual veio a adquirir a fábrica em 1937. Entretanto, a empresa recebera já uma medalha de prata na Exposition des Arts Décoratifs de Paris, em 1925.

 

O formato da jarra aqui ilustrada, com cerca de 27,6 cm. de altura, terá sido certamente concebido no período correspondente à actividade de Bouillon e, de acordo com a página de catálogo reproduzida acima, parece ter sido comercializado em três diferentes tamanhos, com os números – 389 (o de esta peça), 390 e 394, correspondendo este último a um exemplar com cerca de 40,5 cm. de altura.

 

Atingindo o seu apogeu entre as duas grandes guerras, quando simultaneamente com a produção de peças Art Déco voltou a adoptar formas e modelos revivalistas, a fábrica de Pierrefonds, como muitas outras na Europa e na América, começou a declinar no pós-guerra e acabou por encerrar em 1986 (http://fr.wikipedia.org/wiki/Gr%C3%A8s_de_Pierrefonds).

 

Conferir um artigo técnico sobre a vitificação cerâmica com cristais em: http://www.ceramicstoday.com/articles/hamer_crystals.htm.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 00:01

Dezembro 28 2012

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 23:59

Dezembro 28 2012

 

Factura datada de 30 de Junho de 1918 onde se pode encontrar a designação Gilman & Commandita patente no impresso e a designação Gilman Limitada presente no carimbo.

 

Esta encomenda, que ironicamente foi efectuada em Sacavém, e não em Ílhavo ou Aveiro, e parece ter coincidido com a nomeação, ou o exercício do cargo, de João de Almeida como comandante da região militar de Aveiro, consta do seguinte:

 

• Um serviço [de jantar?], com motivo 43, sem ouro

• Um serviço de chá, com motivo 44, sem ouro

• Meia dúzia de chávenas de café, formato Sacavém, com filete verde

• Uma dúzia de chávenas de chá, com motivo 44, sem ouro

 

Incluindo um desconto especial de 5% (1$24) e o custo de uma caixa (1$20), a encomenda ascendeu a um total de 26$05.

 

João de Almeida (1873-1953) começou por se celebrizar como oficial durante a acção militar desenvolvida  na região do Cuamato, Angola, entre 1906 e 1908, e na pacificação dos Dembos. Após a implantação da República, colocou-se ao lado do movimento monárquico, tendo sido feito prisioneiro em Chaves durante a incursão couceirista de 8 de Julho de 1912, pelo que foi demitido do Exército em Outubro desse ano.

 

Reintegrado alguns anos depois, ocupou em 1918, durante o sidonismo, o cargo de comandante militar da região de Aveiro, com o posto de coronel. Entre Janeiro e Fevereiro de 1919, período em que vigorou a monarquia do Norte, colocou-se novamente ao lado dos monárquicos, tendo-se refugiado posteriormente em Paris.

 

Regressando a Portugal na década de 1920, foi director da Empresa Eléctrica-Oceânica de Aveiro, entre 1920 e 1936, administrador da Companhia do Papel do Prado, desde 1929, e presidente da Real Companhia Vinícola do Norte, a partir de 1933.

 

Nos seus últimos anos dedicou-se à investigação histórica, tendo, entre outras obras, sido autor da Reprodução Anotada do Livro das Fortalezas de Duarte Darmas (1943) e do Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses (1945).

 

Documento pertencente ao acervo de José Carlos Roseiro, a quem se agradece a cedência da imagem.


 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13

17
19
21




arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

pesquisar
 
subscrever feeds