Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Junho 04 2010

 

Azulejo com decoração sob o vidrado, aerografada sobre chapa recortada (stencil). No tardoz apresenta em relevo a inscrição " V / SACAVEM / 3 ".

 

Ao contrário do que acontecia na fábrica Aleluia, de Aveiro (cf. http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/tag/stencil), a técnica de decoração azulejar em chapa recortada da FLS aplicava-se predominantemente nas composições geométricas de padrão, combinada com pintura a trincha ou aerógrafo, sendo menos comuns os motivos figurativos ou paisagísticos.

 

O motivo aqui reproduzido é também interessante pela diversidade cromática, que exigiu uma chapa recortada para cada uma das diversas tonalidades apresentadas.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 29 2010

 

Pequena tigela, formato Norte, decorada com esmalte aplicado a aerógrafo sobre stencil (chapa recortada).

 

Note-se, particularmente nas ovais castanhas, a falta de homogeneidade da tinta. O aspecto difuso e não homogéneo do esmalte é característico da pintura a aerógrafo quando apenas se aplica uma camada de tinta, exigindo um aspecto mais homogéneo a sobreposição de diversas camadas.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 15 2010

 

Tigela, formato Norte, decorada com aerógrafo sobre stencil (chapa recortada).

 

O aspecto desfocado da decoração (resultante de uma pulverização extremamente difusa da tinta verde) reproduz fidedignamente a imagem original deste exemplar, que assim foi comercializado nas décadas de 1970 e 1980.

 

Peças deste género foram vendidas em grande quantidade, e a preços extremamente baixos, na loja da FLS na Avenida da Liberdade, em Lisboa, durante o período de falência da empresa.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Fevereiro 06 2010

 

Jarra Art Déco com decoração em relevo e pintura, a aerógrafo, sob vidrado brilhante.

 

Esta jarra encontra-se mencionada nas três tabelas habitualmente referenciadas neste espaço. Na tabela de Novembro de 1945 surge sob o número 29 com a designação "Jarra Caçadores em relêvo n.º 4", ao preço de 88$00 para "Colorido s/ ouro".

 

Já na tabela de Maio de 1951 surge sob a designação " Jarra Caçadores, em relevo", ao preço de 81$00, para "Côres Mates ou coloridos s/ ouro", e 95$00, para "Coloridos c/ ouro". Na tabela de Maio de 1960 surge com a designação "Jarra com caçadores em relevo", ao preço de 81$00 para "Branco colorido s/ ouro", 95$00 para "Vidros cores s/ dec. Branco col. c/ ouro Pint. mod. s/ ouro" e 150$00 para "Pintura Quinta s/ ouro". No exemplar desta última tabela existente no CDMJA o seu peso aparece indicado como sendo de 1, 137 kg.

 

O design desta peça evoca claramente a jarra de cristal Archères, criada em 1921 por René Lalique (1860-1945), sendo um dos modelos mais populares da FLS durante décadas.

 

Para além deste exemplar pintado a aerógrafo (notem-se as áreas matizadas, sem uniformidade de colorido, características desta técnica) conhecem-se variantes da jarra em vidrado mate beige, em vidrado mate verde-água, em pasta beige com vidrado transparente brilhante e policromia sobre o vidrado, e em pasta beige com vidrado transparente brilhante e dourado sobre o vidrado.

 

Apesar do custo da sua decoração, este último modelo é o mais comum e aquele que surge com mais frequência nos antiquários.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Novembro 21 2009

 

Tigela formato Francês com tampa e decoração geométrica aerografada, número 506.

 

O registo desta decoração existente no CDMJA refere que a mesma se destina a "tijelas lisas c/ tampa e Francez".

 

A decoração geometrizante com quadrados e círculos foi particularmente popular durante a década de 1930, sendo comum em azulejos que combinavam estas formas em  várias cores e tonalidades. Ainda hoje é possível observar uma variante dessas combinações geométricas no revestimento em azulejo da estação de Alcântara-Terra, em Lisboa.

 

Nessa mesma década, um dos principais técnicos da secção era Joseph Clemens (datas desconhecidas), que veio da Alemanha para se encarregar do recorte (abertura) das chapas metálicas para decoração a aerógrafo. Segundo o seu filho, Walter Clemens (1934-2007), estas chapas eram em estanho e zinco.

 

Uma lista dactilografada da Secretaria-Geral da FLS intitulada "Estrangeiros que estiveram ao serviço da fábrica em diversos sectores de trabalho", datada de 1971 e depositada no CDMJA, refere que Joseph Clemens, conhecido entre os trabalhadores como José Alemão, entrou ao serviço da fábrica em 15 de Setembro de 1926, como abridor de chapas, aí tendo permanecido até 1971.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Outubro 09 2009

 

Tigela formato Norte decorada a aerógrafo.

 

Com a administração de Clive Gilbert, não só se recuperaram com sucesso modelos de esculturas do período Art Déco, mas também técnicas decorativas características dessa época, como a decoração a aerógrafo.

 

Nesta tigela da década de 1970, para além da técnica a aerógrafo, recuperou-se também a decoração a laranja, cor que depois de estar associada ao Neoclassicismo de finais do século XVIII e do século XIX (os exemplos em cerâmica vão desde a produção da Wedgwood à da Vista Alegre), surgiu associada ao período Art Déco (particularmente na obra da ceramista inglesa Clarice Cliff [1899-1972]) e voltou a estar em voga nas décadas de 1960 e 1970, com a cultura Pop.

 

Prato com decoração Etruria, produzido pela fábrica inglesa Wedgwood em finais do século XVIII.

 

Note-se o problema, comum às peças da FLS do século XX decoradas com essa técnica, resultante da aplicação do esmalte sobre o vidrado.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Outubro 03 2009

 

Prato de cozinha formato Liso com decoração Art Déco, número 515, aplicada a aerógrafo sob o vidrado.

 

Na tabela de 1932, os pratos de cozinha surgem em cinco tamanhos – 1.º, com 39 cm de diâmetro; 2.º, com 35 cm; 3.º, com 32 cm ; 4.º, com 30 cm, e 5.º, com 27 cm. Cada um destes pratos, com decoração "Colorido s/ ouro" tinha o seguinte preço, por ordem decrescente – 4$70, 4$00, 3$10, 2$75 e 2$45. Este prato mede cerca de 32,5, pelo que corresponde ao tamanho intermédio.

 

No catálogo de formatos de 1950 referem-se dois modelos de pratos de cozinha – Liso e Ideal.

 

A decoração deste prato exemplifica claramente as duas principais correntes decorativas Art Déco. Por um lado, a simplificação da estilização floral que se seguiu às hiperbólicas sinuosidades florais do estilo Arte Nova. Por outro, a depurada tendência geometrizante influenciada pelo Construtivismo, pelo movimento De Stijl e pela Bauhaus.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Setembro 26 2009

 

Prato de sopa (fundo) formato Espiga, com decoração de espigas moldadas em relevo e decoração colorida, em verde e azul, a aerógrafo.

 

Este formato, com o diâmetro de 22 cm., encontra-se anunciado na tabela de 1932 ao preço de 16$00 a dúzia, para pratos fundos ou rasos, brancos, os únicos que então se produziam. Este prato moldado encontra-se ainda ilustrado no catálogo de formatos de 1950.

 

O número 1205, constante do verso, corresponde à decoração.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18

20
21
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar