Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Dezembro 29 2016

 

Pequena jarra em grés, com cerca de 11 cm. de altura, da fábrica francesa La Faïencerie Héraldique, localizada em Pierrefonds.

 

A combinação de um corpo de linhas curvas, naturalmente sugestivas da modelação artesanal (embora este exemplar tenha sido moldado), com remates angulosos remete para a execução de peças em metal e para um certa ideia característica da prática Arts & Crafts.

 

Tal prática surge também, pontualmente, na produção de outras empresas, como a francesa Denbac (http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/118998.html).

 

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 00:01

Dezembro 28 2016

 

Em cima, uma pantera em faiança, com cerca de 12,8 x 32,5 x 8 cm., ostentando na base os números 10, impresso, 5 e 21, incisos manualmente, e a marca francesa ODYV.

 

Depois, um esquilo também em faiança, com cerca de 14,2 x 22,6 x 9 cm., que, embora apenas ostente na base os números 15, impresso, e 17, inciso manualmente, sem qualquer outra marca visível, foi obviamente produzido na mesma empresa.

 

Em seguida, um bode em faiança, com cerca de 15,6 x 27,7 x 8,9 cm., que também apenas ostenta na base os números 14, impresso, e 45, inciso manualmente, sem qualquer outra marca visível, mas é indubitavelmente da mesma proveniência.

 

Por último, um cervídeo em faiança, com cerca de 22,5 x 39 x 12,7 cm., ostentando na base os números 1, impresso, e 16 e 5, incisos manualmente, e também a marca ODYV.

 

Conhecem-se diversas outras esculturas de animais produzidas pela ODYV, constituindo estas um bestiário bastante diversificado que inclui galgos, gazelas, leoas, leopardos, tigres, que ora surgem em representações singulares ora em representações colectivas, ora, ainda, em conjuntos para relógios de lareira.

 

 

Para além das que apresentam vidrado brilhante preto, como o que surge em três destas peças, e que tem tendência a estalar com a passagem do tempo, formando um craquelé algo frágil que contrasta com o sólido vidrado das figuras, e vidrado baunilha semi-mate, como o que surge na última, conhecem-se ainda bases com vidrado matizado, a imitar padrões e tonalidades de pedras ornamentais, e bases beiges que servem de apoio a esculturas com vidrado monocromático também castanho, ou de outras tonalidades escuras.

 

O corpo principal das peças, a escultura animal em si, apresenta quer vidrado acetinado semi-mate, como o de este esquilo e do cervídeo, quer vidrado mate com acabamento ligeiramente microcristalino e rugoso, como o da pantera e do bode, surgindo em diversas cores e tonalidades. Nos conjuntos para relógio, para além de poderem surgir decorados a platina ou ouro, os animais são por vezes acompanhados de figuras femininas.

 

Nos conjuntos escultóricos monobloco, que não têm a base aparafusada ao corpo principal, como acontece com os quatro exemplares aqui ilustrados, conhece-se ainda um acabamento vidrado com gotículas em relevo, característico de algumas jarras ODYV produzidas na década de 1930, e também da fábrica checoslovaca Amphora (http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/161780.html), cujo apelo técnico e estético nas figuras animais é muito questionável.

 

Durante várias décadas adensaram-se as dúvidas quanto às origens e à existência de documentação relativa a esta hipotética empresa, e ainda no final do século XX obras de referência como La Céramique Art Déco (1988), Craquelés – Les Animaux en Céramique, 1920-1940 (1993), ou Art Deco and Modernist Ceramics (1995) a ignoravam ou exprimiam dúvidas sobre a sua identificação.

 

 

Já no princípio do século XXI, com a maior circulação de dados na internet e o inerente aumento de fontes webliográficas e iconográficas, foi possível começar a encontrarem-se imagens de peças marcadas ODYV com etiquetas na base apresentando a indicação manuscrita Berlot-Mussier associada ao preço.

 

Finalmente, em 2007, uma obra intitulada Le Temps d'ODYV: 1927-1940, dedicada em particular aos relógios em faiança comercializados sob essa marca, os quais integravam habitualmente conjuntos de três peças denominados garniture de cheminée (vejam-se alguns desses exemplares aqui: http://www.clockarium.com/musee/index.htm.), veio divulgar informações relevantes sobre a empresa.

 

Assim, ficou a saber-se que a Manufacture Berlot-Mussier, fundada em 1927 e activa até cerca de 1975, sedeada em Vierzon e inicialmente denominada Faïencerie du Tunnel – uma das suas marcas representa precisamente uma locomotiva a sair do túnel urbano de Vierzon, produziu, pelo menos entre 1927 e 1940, uma série de peças que ostentavam a designação comercial ODYV.

 

Curiosamente, também esta designação, a exemplo do que acontecia com outra notável empresa da mesma localidade, a Denbac (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/denbac), deve a sua existência à contracção de dois nomes, desta vez próprios – Odette, filha de Mussier, e Yvonne, irmã de Berlot. 

 

 

Cruzando os exíguos dados conhecidos sobre a Berlot-Mussier, patentes nas obras citadas e noutras fontes, foi possível apurar que um dos escultores que colaborou com a empresa foi Gustave Gillot (1888-1965), nomeadamente através da modelação de uma raposa monobloco que evoca a fábula de Esopo (c. 620 a.C.- 564 a.C.) posteriormente recuperada e celebrizada pela versão de La Fontaine (1621-1695).

 

Também o conceituado escultor e modelador cerâmico Charles Lemanceau (1905-1980), que executou peças para as marcas La Maîtrise, Nouvelles Galeries, Primavera, Robj, e para as fábricas Foecy, Sainte-Radegonde, Saint-Clément, concebeu algumas criações para a Berlot-Mussier, pelo que provavelmente algumas das esculturas de animais marcadas ODYV serão de sua autoria.

 

Mais, foi ainda possível apurar que a esposa de Lemanceau se chamava Odette, embora não se tenha conseguido saber se nos encontramos apenas perante uma coincidência de nome próprio ou perante Odette Mussier.

 

De qualquer modo, estes quatro exemplares demonstram inequivocamente a elevada qualidade composicional, estética e escultórica de algumas das figuras animais comercializadas pela ODYV dentro da gramática Art Déco.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 00:01

Dezembro 26 2016

 

Jarra em pasta vermelha, com cerca de 19,1 cm. de altura, ostentando na base a assinatura manuscrita Jeandet.

 

Embora a sua escassa obra conhecida seja tecnicamente interessante e esteticamente muito apelativa, pouco se sabe sobre o ceramista francês Jacques-Gabriel Jeandet (1873-1945), para além do facto de este ter nascido em Mâcon e ter desenvolvido, a partir de 1926, a sua actividade em Lugny.

 

O exemplar que aqui se apresenta ilustra perfeitamente as excelentes capacidades técnicas e os princípios composicionais de Jeandet, através de um craquelé induzido artificialmente, muito ao gosto Art Déco, e da decoração vegetalista, aplicada manual e livremente, em barbotina, sobre esse fundo beige.

 

Complementarmente, foram ainda aplicadas algumas manchas a esmalte branco, em relevo, que sublinham a riqueza e harmonia desta decoração.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 00:01

Dezembro 24 2016

 

Retomar-se-á este ano, dentro de dois minutos, a tradicional secção natalícia The Twelve Days of Christmas, dedicada à cerâmica estrangeira, ilustrando-se este artigo introdutório com duas peças de distintas fábricas, ou oficinas, que não se encontram identificadas.

 

Em cima, uma jarra em grés com cerca de 17,2 cm. de altura, em baixo, uma taça em faiança com cerca de 7,3 cm. de altura e 23,2 cm. de diâmetro máximo.

 

A jarra, hipoteticamente associada à produção da região francesa de Saint-Uze (http://www.territoire-ceramique.com/exposition-permanente.html), apresenta um princípio de desconstrução da forma encontrado numa peça algo similar (http://www.veniceclayartists.com/pottery-arts-masters/2/) do consagrado ceramista francês Adrien Dalpayrat (1844-1910), aliás na linha de uma abordagem que também havia sido ensaiada, embora de forma mais radical, pelo americano George Ohr (1857-1918).

 

No entanto, as tonalidades aqui patentes não apresentam nem os característicos azuis e verdes, ou o favorito sangue-de-boi, de Dalpayrat nem as cores habitualmente encontradas na generalidade da produção de Saint-Uze (https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c2/Saintuze.pdf).

 

A decoração da interessante taça reproduzida abaixo apresenta motivo com uma figuração neo-clássica recuperada e reinterpretada em alguma cerâmica do período Art Déco.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 23:59

Setembro 24 2016

 

Conjunto de cinzeiro, cigarreira e base para caixa de fósforos, com cerca de 6,2 x 11 x 9,5 cm., em faiança da Companhia das Fábricas Cerâmica Lusitânia / Lufapo.

 

Veja-se uma outra versão deste formato, da mesma fábrica mas com diferente marca e pintura policromática, aqui: http://modernaumaoutranemtanto.blogspot.pt/2014/05/cinzeiro-art-deco-lusitania-lisboa.html .

 

Como os autores de MUONT referem, conhece-se um outro exemplar, que eventualmente corresponderá ao modelo original, produzido pela fábrica inglesa Royal Doulton.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Dezembro 15 2015

 

Chávena de chá e pires formato Coimbra ostentando decoração correspondente ao motivo 672.

 

Um bule com este motivo, e também deste formato, foi já apresentado aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/bule-353502.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Novembro 10 2015

 

Prato coberto formato Estoril com decoração minimalista sobre o vidrado.

 

Este notável paradigma dos modelos cerâmicos Art Déco para serviços de mesa corresponde ao formato Casino, que havia sido lançado cerca de 1932 pela fábrica inglesa Royal Doulton.

 

Como também já foi referido anteriormente (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/formato+estoril), as terrinas, saladeiras e pratos cobertos formato Estoril não estão referenciadas nas tabelas da FLS para 1932 e 1938, embora surjam no catálogo de 1950. 

 

O motivo, constituído apenas por um círculo e dois triângulos que pretendem sugerir a imagem de um veleiro, surge como uma das combinações minimalistas mais bem conseguidas da FLS, muito embora seja provavelmente de origem estrangeira.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Outubro 08 2015

 

Pequeno bule, formato Coimbra, com decoração a laranja e dourado, sobre o vidrado, correspondente ao motivo 672.

 

Este motivo, com outras variantes cromáticas e em pastas de outra cor, foi também aplicado no formato Avenida, quer com complementos em ouro (http://mfls.blogs.sapo.pt/48159.html) quer com complementos em platina (http://mfls.blogs.sapo.pt/5167.html).

 

Vejam-se mais alguns bules com este formato, apresentando diferentes decorações, quer aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/bules+formato+coimbra, quer no espaço que MUONT também dedica à investigação comparativa de cerâmica (http://modernaumaoutranemtanto.blogspot.pt/search/label/Formato%20Coimbra).

 

Note-se ainda como, neste exemplar, é bem visível na pega da tampa uma ligeira deformação que evoca o formato inglês denominado Zenith, criado por Ernest Bailey (1911-1987) e comercializado pela empresa Burgess & Leigh, que terá servido de modelo ao formato Avenida da FLS.

 

Fundada em 1862, esta companhia contou com a colaboração de excelentes designers durante o período Art Déco, nomeadamente da consagrada Charlotte Rhead (1885-1947), que ali trabalhou entre 1926 e 1931, criando diversos motivos originais para a série Burleigh Ware, e poderá ter sido a autora de algum dos motivos de inspiração floral que a FLS veio a adaptar.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 03 2015

 

 

Caixa em faiança com cerca de 13,4 x 17,4 cm., vulgarmente designada como caixa boleira, ostentando apenas a letra "L" impressa na pasta.

 

Embora a peça não apresente qualquer outra marca visível, quer a pasta quer o vidrado parecem corresponder à produção da Companhia das Fábricas Cerâmica Lusitânia durante o período Art Déco.

 

Como se pode comprovar numa publicação de MUONT (http://modernaumaoutranemtanto.blogspot.pt/2014/08/caixa-quadrangular-lusitania-coimbra.html), este formato foi produzido também em Portugal, pelo menos na unidade de Coimbra da CFCL, eventualmente sob influência original de um modelo alemão, da fábrica Carstens-Gräfenroda, que apresenta uma tampa com diferente remate (http://modernaumaoutranemtanto.blogspot.pt/2014/08/caixa-art-deco-aerografada-carstens.html).

 

Embora do ponto de vista ergonómico e funcional o remate esférico da tampa possa ser mais eficaz, a verdade é que a harmonia do conjunto é mais evidente com o remate que surge neste exemplar, e no da CFCL de Coimbra, pelo que será mais provável que o modelo da Carstens-Gräfenroda seja uma adaptação posterior do formato original.

 

Obviamente, não se contesta a hipótese de esse modelo original ser também de origem estrangeira.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 08 2015

 

Pessoalmente, sinto grande enlevo pelas artes gráficas, em geral, e pela concepção e design de capas, em particular, tal como seria expectável de alguém que criou um blog intitulado Capas & Companhia (http://capasecompanhia.blogs.sapo.pt/) e reproduziu extensivamente capas e documentos gráficos em outros dois, como são o Blog da Rua Nove (http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/) e o Rua Onze.Blog (http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/).

 

Ainda hoje me empolga o impressionante grafismo que muitas publicações portuguesas das décadas de 1920, 1930 e 1940 apresentam, como se comprova pelas capas reproduzidas abaixo, tal como me entusiasmam as diferentes variantes tipográficas da letra D criadas por Hugo D'Alte, Dino dos Santos e Joana Correia para a capa dos três primeiros volumes desta série sobre o design português.

 

Mas sabem quantas imagens apresenta o volume II desta série? Cento e dezoito. E sabem quantas destas não reproduzem aquilo que já originalmente era um documento gráfico? Apenas vinte e quatro. É verdade. O interessantíssimo texto de Rui Afonso Santos (n. 1963), sobre as mais diversas áreas de produção do período que decorreu entre 1920 e 1939, é completamente engolfado por noventa e quatro imagens reproduzindo apenas documentos gráficos. 

 

Se alguém interessado neste período não se desse ao trabalho de ler o texto daquele autor, o que seria uma desacertada e infeliz decisão considerando toda a eclética, abrangente e pertinente informação que ali nos é transmitida, e apenas atentasse nas imagens, ficaria com a errónea ideia de que estaria apenas perante um volume essencialmente consagrado às artes gráficas desta época.

 

   Capa, de autor não identificado, para a obra Leomil (1921), de António de Sèves (1895-1970).

 

Esta peculiar predominância de iconografia relacionada com tais documentos dever-se-á indubitavelmente a uma forte razão de estratégia editorial, que no entanto não transparece, e provavelmente será contrabalançada nos dois últimos volumes da série, os quais serão consagrados exclusivamente a uma cronologia ilustrada e comparativa.

 

Contudo, não deixa de ser surpreendente folhear estes três primeiros volumes da série e não descobrir uma única imagem de qualquer peça de ourivesaria ou joalharia portuguesa. Nem uma. E isto, num país com a tradição que Portugal tem nesta área, parece traduzir a inexistência, ou menoridade, de qualquer peça com design meritório nestas décadas. O que obviamente é absurdo.

 

Tal opção editorial é tanto mais estranha quanto se sabe que Rui Afonso Santos conhece e está particularmente sensibilizado para toda a produção desta área, conforme se pode constatar no número 22 da revista Umbigo (http://umbigomagazine.com/um/), à qual concedeu uma entrevista onde declarou – "Se olharmos para a história do design em Portugal, é óbvio que a joalharia é uma parte indispensável."

 

   Capa de António Soares (1894-1978).

 

Do mesmo modo, a julgar pela inexistência de qualquer iconografia correlativa nestes três volumes, parece não ter existido nas décadas de 1900 a 1959 qualquer produção ou quaisquer padrões dignos de nota na área dos tecidos, o que também é uma hipótese completamente absurda considerando a tradição têxtil portuguesa.

 

E neste contexto basta recordar, mesmo que a intenção pudesse ser contrastante, uma fotografia de 1915 em que a consagrada Sonia Delaunay (1885-1979) apresenta as suas composições, tapeçarias e propostas criativas tendo como pano de fundo algumas chitas portuguesas, e algumas das suas posteriores declarações:

 

" (...) Chassés par la chaleur torride d'août, Robert Delaunay et moi, conseillés par des amis peintres de Lisbonne, sommes arrivés à Vila do Conde, au nord du Portugal.

 

La lumière n'était pas violente, mais exaltait toutes les couleurs – les maisons multicolores ou d'un blanc éclatant, d'une ligne sobre, des paysans dans des costumes populaires, des tissus, des céramiques aux lignes à la beauté antique d'une pureté étonnante, parmi la foule des boeufs hiératiques à grandes cornes – on a eu l'impression de se trouver dans un pays de rêve."

 

   Tecido estampado aplicado numa encadernação da obra Leviana (1921), de António Ferro (1895-1956).

 

Como se sabe, o design não só pode condicionar a vivência quotidiana como traduzir mentalidades e hábitos culturais. Há simples "objectos do dia-a-dia (cadeiras, livros, cartazes, candeeiros ou jornais)" através dos quais, como afirma José Bártolo, "podemos compreender melhor a história sociocultural do Portugal contemporâneo".

 

Na ourivesaria, l'air du temps das primeiras décadas do século XX pode-se traduzir através de singelos e comezinhos objectos, hoje quase caídos em desuso, como sinetes, monogramas ou argolas de guardanapo. 

 

Os monogramas metálicos recortados, que poderiam personalizar bolsas ou outros objectos, raramente estão marcados devido à sua reduzida dimensão, mas reproduzem-se abaixo cinco exemplares em prata que, com excepção daquele que surge no canto inferior direito, ilustram claramente influências Art Nouveau e Art Déco. Dois desses exemplares, o do centro e o do canto inferior esquerdo, apresentam punção portuguesa anterior a 1938.

 

Este último, com as iniciais M. A., pertenceu ao chefe bombeiro Mário Batista de Almeida (datas desconhecidas), que integrou o Batalhão de Sapadores Bombeiros de Lisboa (activo em 1936), o Corpo de Bombeiros de Vila Viçosa (activo em 1946), os Bombeiros Voluntários de Algés (activo em 1950) e os Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique (activo em 1972), em Lisboa.

 

 

A produção de peças maiores de ourivesaria portuguesa durante as décadas de 1900 a 1920 foi desenvolvida regularmente por inúmeras empresas de Lisboa, Porto e Gondomar. Certo é que muita dessa produção traduzia ainda a tradição formal e decorativa de séculos anteriores, ou, na melhor das hipóteses, a predominância de um gosto derivado da influência neo-manuelina.

 

Mas durante a década de 1920 encontramos já diversas casas a produzir peças com tardio gosto Art Nouveau em simultâneo com o inovador gosto Art Déco ou um revivalista gosto pela arte egípcia.

 

Em Lisboa notabilizaram-se as casas Ferreira Marques, Filhos, que produziu caixas para pó, espelhos modernos, pulseiras, salvas polidas e serviços para cacau ao gosto Art Déco, Joaquim Lory & C.ª, que comercializou alfinetes de peito com influência egípcia e alfinetes de peito, barretes e pulseiras ao gosto Art Déco, Leitão & Irmão, que desenvolveu a notável Salva das Azeitonas, de tardia influência Art Nouveau, Mariano Costa, que comercializou ainda uma outra Salva das Azeitonas, de influência Art Nouveau, Olinda de Oliveira & C.ª, Limitada, que desenhou alfinetes de peito e pulseiras ao gosto Art Déco, e Pedro Fraga, que comercializou alfinetes de peito também de influência egípcia.

 

No Porto, onde a influência do gosto neo-manuelino se arrastou, tal como em Lisboa, durante largo período, notabilizaram-se naquela década, particularmente, as casas Miranda & Filhos, com um espelho para toilette de influência Art Déco, e Reis, Filhos, Limitada, com uma esplêndida e monumental caravela de prata e marfim apresentando figuras femininas de influência Art Nouveau, a qual foi encomendada pela [sic] colónia Portuguesa do Rio de Janeiro para ser oferecida ao Hospital da Beneficência Portuguesa da mesma cidade. 

 

 

No plano individual, durante a década de 1920, destacaram-se ainda as obras de dois consagrados artistas.

 

Por um lado, a do renomado escultor João da Silva (1880-1960; cf. http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/85920.html), que, entre muitas outras peças, produziu um tinteiro com figura feminina intitulado O Estudo, uma faca  de cortar papel e um alfinete de peito intitulado Anfitrite e Tritão, todos eles magníficos exemplares tardios de ourivesaria escultórica ao gosto Art Nouveau.

 

Por outro, a do aclamado ourives e cinzelador António Maria Ribeiro (1889-1962), com a escultura intitulada A Vaga, uma alegoria, também de influência Art Nouveau, ao vôo entre Portugal e o Brasil protagonizado em 1922 por Gago Coutinho (1869-1959) e Sacadura Cabral (1881-1924), o Vaso Monumental, oferecido pela Guarnição Militar do Porto à Guarnição Militar de Madrid, taça que combina uma cena de bacanal, de influência neoclássica, com um formato de inspiração Art Nouveau, e a mais conservadora mas monumental escultura intitulada Altar da Pátria, obra produzida na já citada casa portuense Reis, Filhos, Limitada, que também se encontra no Brasil (cf. http://www.realgabinete.com.br/portalweb/Biblioteca/AcervoArt%C3%ADstico.aspx).

 

Para encerrar este artigo, retornamos a peças mais comezinhas, apresentando-se acima algumas argolas para guardanapo, em prata, todas com punção portuguesa anterior a 1938, e abaixo um pendente em platina, com brilhantes e esmeraldas, ostentando também punção portuguesa anterior a 1938.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar