Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Dezembro 01 2015

 

Quadra de azulejos ostentando no tardoz de um exemplar a legenda SACAVEM U 1, em relevo, e o carimbo numérico 149. Outro exemplar apresenta os carimbos numéricos 17 (maiúsculo), 3 (minúsculo) e ainda o número 315 manuscrito a preto.

 

Este conjunto, propositadamente combinando azulejos com cores diferentes e omitindo as espigas que constituíam a quadra original (http://mfls.blogs.sapo.pt/26731.html), ilustra duas das três variantes cromáticas conhecidas nas papoilas e nos laços – azul, laranja e roxo.

 

A decoração encontra-se aplicada sobre o vidrado.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Novembro 15 2015

 

Par de azulejos produzidos pela fábrica Viúva Lamego, em Lisboa, unidade que agora pertence ao grupo Aleluia.

 

Embora este motivo recrie um açafate com flores ao gosto seiscentista e setecentista, a representação floral denuncia uma gramática mais característica do segundo e terceiro quartéis do século XX.

 

Atendendo às iniciais que surgem no canto superior esquerdo do tardoz dos dois azulejos, é possível que este conjunto tenha sido pintado por Artur José (1932-2010), podendo ver-se um prato decorado por este artista aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/189321.html .

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Setembro 01 2015

 

Acima, pequeno azulejo de friso, com cerca de 4 x 15,8 x 1 cm., apresentando motivos florais estilizados aplicados a stencil (chapa recortada) e aerógrafo sob o vidrado, ostentando no tardoz a inscrição SACAVEM, em relevo, e um X carimbado a verde.

 

Abaixo, decoração rural oitocentista (http://mfls.blogs.sapo.pt/9037.html) numa terrina que recria um formato da FLS do segundo quartel do século XX – denominado D. João V, em edição promovida no ano de 1999, já depois do encerramento da fábrica, pelo município de Loures.  

 

 

Entrando hoje no seu sétimo ano de publicação, o espaço MAFLS continuará a divulgar, com alguma periodicidade, peças de cerâmica portuguesa.

 

Tal como no ano anterior, essa apresentação centrar-se-á agora, predominantemente, na produção de outras fábricas em detrimento daquela que foi desenvolvida pela centenária (passarão em 2016 cento e sessenta anos da sua fundação) Fábrica de Loiça de Sacavém.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Agosto 23 2015

 

Díptico de azulejos da fábrica Viúva Lamego, com cerca de 28,6 x 14,3 cm., decorado com um motivo floral assinado mas de autor/a não identificado/a, talvez Maria Emília Silva Araújo (n. 1940), produzido provavelmente em oficina de ceramista durante o último quartel do século XX.

 

Conforme já foi aqui referido, a fábrica Viúva Lamego, fundada no ano de 1849, em Lisboa, integra actualmente o grupo Aleluia, que teve origem na fábrica homónima fundada no ano de 1905, em Aveiro (http://www.aleluia.pt/).

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Julho 11 2015

 

Quadra de azulejos, ostentando no tardoz a inscrição LAMEGO e XIII, em relevo, cuja decoração floral foi executada através de uma técnica híbrida – com pintura manual, livre, e pintura sobre stencil (chapa recortada).

 

Note-se como, no padrão decorativo, os módulos não se ajustam perfeitamente entre si, não se devendo isto apenas às diferentes dimensões de cada azulejo – que variam entre os 13,6 e os 13,8 cm., mas principalmente ao facto de a decoração, no limite exterior, começar a diferentes distâncias desse limite. 

 

Note-se ainda como estes exemplares apresentam vários defeitos de pintura, e também de vidrado, sendo o mais evidente aquele que surge no canto inferior direito.

 

Sublinhe-se que o facto de estes exemplares apenas ostentarem o nome Lamego, e não Viúva Lamego, não implica que tenham sido executados em vida do fundador da empresa, António da Costa Lamego (1818-1876), o qual, entre 1849 e 1865, desenvolveu as primitivas instalações da fábrica no famoso edifício, que ainda hoje subsiste, localizado no Largo do Intendente, em Lisboa (http://www.viuvalamego.com/PT/VL).

 

Embora não tenha sido encontrada informação sobre a data do revestimento, a igreja da Misericórdia da Covilhã, fundada em finais do século XVI, apresenta azulejos semelhantes no seu interior.

 

É possível que o revestimento azulejar tenha sido aplicado durante as obras que decorreram no segundo quartel do século XX, quando o tecto da nave foi pintado por António Esteves Lopes (1900-1973).

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 13 2015

 

Par de azulejos ostentando uma frase atribuída ao poeta Eugénio de Castro (1869-1944).

 

Pintado à mão e produzido na lisboeta fábrica Sant'Anna, este conjunto ostenta uma legenda característica do período em que o Secretariado de Propaganda Nacional (SPN, 1933-1944; posteriormente, SNI) procurou moldar figurinos revivalistas, de carácter nacionalista e regionalista, para as artes decorativas e até para a arquitectura.

 

Já anos antes, logo na década de 1910, através dos princípios da casa portuguesa preconizada por Raul Lino (1879-1974), era possível encontrar tais inscrições em diversos edifícios que, de modo mais ou menos ortodoxo, seguiam os modelos arquitectónicos defendidos por este consagrado arquitecto.

 

Embora a generalidade destas legendas traduzisse habitualmente aforismos tradicionais, anónimos e de carácter popular, este exemplar procura associar o prestígio de Eugénio de Castro, inicialmente conotado com o simbolismo e mais tarde com um saudosismo de carácter nacionalista, à consolidação de tais inscrições.

 

Em certa medida, as inscrições deste tipo constituem-se como paradigma de uma política de espírito que António Ferro (1895-1956) procurou também introduzir e traduzir nos motivos de diversas lambrilhas produzidas na fábrica Viúva Lamego (http://mfls.blogs.sapo.pt/126700.html).

 

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 12 2015

 

Pequeno azulejo de friso decorado com motivos geométricos aplicados a stencil (chapa recortada) sob o vidrado, ostentando no tardoz a inscrição SACAVEM em relevo. 

 

Tendo sido depositados no Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal, a 13 de Maio de 2009, os instrumentos de ratificação do Acordo Ortográfico de 1990 e do Segundo Protocolo Modificativo, assinado em 2004 e aprovado em 2008, completa-se hoje o período de transição, de seis anos, para implementação plena do mesmo.

 

Por aqui, a partir de amanhã, continuaremos a parafrasear Fernando Pessoa (1888-1935) – Ah, que prazer ter um Acordo Ortográfico para cumprir e não o fazer!

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Setembro 01 2014

 

Caixa rectangular em aglomerado de cortiça, com cerca de 6 x 22,4 x 12,7 cm., cuja tampa apresenta embutida uma placa azulejar decorada com uma flor estilizada.

 

Produzida provavelmente no último quartel do século XX, e não ostentando qualquer marca, esta peça exemplifica o uso combinado de dois dos materiais habitualmente associados a Portugal – o azulejo e a cortiça.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 11:01

Setembro 01 2014

 

Azulejo com motivos militares e florais aplicados sobre stencil (chapa recortada), produzido, provavelmente no segundo quartel do século XX, pela fábrica Viúva Lamego, de Lisboa. 

 

Este azulejo destinar-se-ia, certamente, a ser colocado no revestimento de edifícios de uma unidade militar não identificada, embora seja possível encontrar na composição o símbolo da arma de Infantaria, duas espingardas entrecruzadas, e um motivo associado à arma de Cavalaria, o carro de combate, que tem como símbolo duas espadas entrecruzadas.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 07:01

Setembro 01 2014

 

Azulejo apresentando imagem parcialmente executada a aerógrafo, com um motivo onde o humor se cria a partir do non-sense, na unidade de Coimbra da Companhia das Fábricas Cerâmica Lusitânia.

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 03:01

mais sobre mim
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar
 
subscrever feeds