Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Novembro 11 2018

 

Pequena jarra, com cerca de 12,7 cm. de altura, em faiança da Arfai, Alcobaça.

 

Embora não apresente qualquer marca relativa à fábrica, esta peça apresenta a habitual pasta da Arfai e ostenta as notas e referências ali usadas para testar as características de produção .

 

Como se verifica pela imperfeição do fundo, este seria um exemplar destinado apenas a estudar o vidrado e o tempo de cozedura, cujo produto final se destinaria à exportação e muito provavelmente não ostentaria a marca da Arfai, como muitas das peças desta empresa.

 

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 21:01

Setembro 16 2018

 

Jarra, com cerca de 17,7 cm. de altura, em faiança da Arfai, Alcobaça.

 

Ao contrário do exemplar anteriormente aqui apresentado (https://mfls.blogs.sapo.pt/outras-fabricas-outras-loicas-ccclv-393257), esta peça não ostenta qualquer marca mas apresenta as anotações, a marcador indelével, realizadas na Arfai para o controle das características técnicas de produção.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Julho 08 2018

 

Jarra, com cerca de 19,8 cm. de altura e 18,8 cm. de diâmetro máximo, em faiança da Arfai, Alcobaça.

 

Mais um exemplo das peças produzidas pela Arfai mas comercializadas sob outra marca, desta vez a da cadeia de distribuição Crate & Barrel, fundada nos EUA, e bem implantada no mercado anglófono, mas actualmente integrando o grupo alemão Otto GmbH (https://www.ottogroup.com/en/index.php).

 

Este formato estilizado, popularmente conhecido em alemão como zwiebel (cebola), foi adoptado em particular por muita cerâmica escandinava do pós-guerra, mas já surgia anteriormente na cerâmica Art Nouveau, que evocava as sinuosidades florais e vegetais e os formatos dos bolbos, bem como na tradicional cerâmica japonesa e oriental.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 15 2018

 

Jarra, com cerca de 28,2 cm. de altura, em faiança da Arfai, Alcobaça.

 

Mais uma peça que ilustra a grande diversidade de revestimentos e vidrados aplicados nesta fábrica, desta vez num formato reminiscente, se ignorarmos a ausência de asas, dos clássicos cântaros.

 

Tal como acontece com todas as outras peças aqui anteriormente reproduzidas, e executadas na Arfai, esta jarra não ostenta a marca da fábrica, apresentando apenas a notação, manuscrita, P2 na base.

 

 

© MAFLS

 

publicado por blogdaruanove às 21:01

Fevereiro 18 2018

 

Duas jarras em faiança produzidas na fábrica Arfai, em Alcobaça.

 

Tal como acontece com outras peças da Arfai já aqui apresentadas, que a empresa faz questão de sublinhar não serem exemplares comercializados por si, a primeira jarra, com cerca de 20,8 cm. de altura, apenas apresenta uma etiqueta de papel, obviamente ostentando referências relativas à catalogação interna de produção.

 

Note-se, contudo, como a legendagem não se encontra em Português e como são também atribuídos créditos criativos à IGM. A segunda jarra, reproduzida em baixo e com cerca de 30,4 cm. de altura, não apresenta qualquer marca ou etiqueta.

 

 

Estas duas peças ilustram a pluralidade de revestimentos e vidrados que, em conjunto com os seus inúmeros formatos, caracterizam a excelente produção da Arfai.

 

Ilustram, ainda, o craquelé natural que esta faiança, submetida a tão diversificados e múltiplos revestimentos, desenvolve algo prematuramente em consequência das diferentes contracções e expansões, assíncronas, das pastas e dos vidrados. 

 

Como já foi referido, pode-se consultar o site da empresa aqui: http://www.arfaiceramics.com/index.php.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Janeiro 07 2018

 

Jarras em faiança, com cerca de 20,4 cm. e 11,7 cm. de altura, produzidas na fábrica Arfai, Alcobaça.

 

Não apresentando qualquer marca, e provavelmente destinados à exportação, estes dois modelos documentam, já no dealbar do século XXI, um revivalismo da centenária gramática Art Nouveau e a preferência por um vidrado verde semi-mate característico também de alguma produção internacional desenvolvida, à época, nesse estilo, nomeadamente em fábricas como a sueca Gustafsberg e as norte-americanas Rookwood e Teco.

 

Evocativas de certas formas vegetais, mas sugerindo também, inequivocamente, formas fálicas, estas jarras recordam ainda, no que respeita a esta última característica, um modelo, o número 326, produzido, há cerca de cem anos, pela fábrica francesa Rambervillers. 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Dezembro 10 2017

 

Jarra modular Double, em faiança e cortiça e com cerca de 32,5 cm. de altura, produzida pela Arfai, de Alcobaça.

 

Fundada em 1992, como simples empresa de comercialização de produtos cerâmicos, a Arfai iniciou em 1995 a sua própria produção. Actualmente afirma-se como uma das indústrias cerâmicas portuguesas que assegura produção decorativa de alta qualidade, a nível da pasta de faiança fina, dos vidrados e revestimentos e do design.

 

As excelentes peças da Arfai, contudo, beneficiariam da opção em reproduzir criações noutra pasta cerâmica mais resistente, como o barro vermelho duro ou o grés, pois a sua faiança fina revela-se demasiado frágil para um manuseamento intenso ou algo mais despreocupado.

 

Apesar dessa limitação técnica, grande parte da sua produção destina-se actualmente à exportação.

 

 

A Arfai tem colaborado com outras empresas do sector, como a Jomazé, na produção dos inúmeros modelos que cria e comercializa.

 

Uma vez que muita da sua produção se destina à exportação, nao é raro encontrar peças da Arfai sem qualquer marca, ou apresentando exclusivamente etiquetas em papel, ou, ainda, marcas de outras empresas estrangeiras, como a que se reproduz abaixo.

 

As interessantes peças da Arfai voltarão a ser reproduzidas neste espaço, mas entretanto pode-se consultar o site da empresa aqui: http://www.arfaiceramics.com/index.php.

 

 

Jarra, com cerca de 17,8 cm. de altura, produzida na Arfai para a marca dinamarquesa Knabstrup Keramik.

 

Esta jarra, integrando uma série denominada Anna (cf. https://knabstrup.com/produkter?series=16#product-grid), existe em diferentes dimensões e em três tons distintos – neste verde mate e ainda em azul claro e em branco, com esmalte brilhante, correspondendo a um modelo inspirado numa peça anteriormente criada pelo escultor e designer Johannes Hansen (1903-1995), director artístico da KK entre 1953 e 1970.

 

A KK foi fundada em 1897 mas acabou por encerrar em 1988. Entretanto, a marca foi recuperada durante o corrente ano de 2017, recorrendo à comercialização de cerâmica produzida em regime de outsourcing.

 

Consulte-se a história da KK aqui: https://knabstrup.com/historie.

 

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds