Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Dezembro 10 2017

 

Jarra modular Double, em faiança e cortiça e com cerca de 32,5 cm. de altura, produzida pela Arfai, de Alcobaça.

 

Fundada em 1992, como simples empresa de comercialização de produtos cerâmicos, a Arfai iniciou em 1995 a sua própria produção. Actualmente afirma-se como uma das indústrias cerâmicas portuguesas que assegura produção decorativa de alta qualidade, a nível da pasta de faiança fina, dos vidrados e revestimentos e do design.

 

As excelentes peças da Arfai, contudo, beneficiariam da opção em reproduzir criações noutra pasta cerâmica mais resistente, como o barro vermelho duro ou o grés, pois a sua faiança fina revela-se demasiado frágil para um manuseamento intenso ou algo mais despreocupado.

 

Apesar dessa limitação técnica, grande parte da sua produção destina-se actualmente à exportação.

 

 

A Arfai tem colaborado com outras empresas do sector, como a Jomazé, na produção dos inúmeros modelos que cria e comercializa.

 

Uma vez que muita da sua produção se destina à exportação, nao é raro encontrar peças da Arfai sem qualquer marca, ou apresentando exclusivamente etiquetas em papel, ou, ainda, marcas de outras empresas estrangeiras, como a que se reproduz abaixo.

 

As interessantes peças da Arfai voltarão a ser reproduzidas neste espaço, mas entretanto pode-se consultar o site da empresa aqui: http://www.arfaiceramics.com/index.php.

 

 

Jarra, com cerca de 17,8 cm. de altura, produzida na Arfai para a marca dinamarquesa Knabstrup Keramik.

 

Esta jarra, integrando uma série denominada Anna (cf. https://knabstrup.com/produkter?series=16#product-grid), existe em diferentes dimensões e em três tons distintos – neste verde mate e ainda em azul claro e em branco, com esmalte brilhante, correspondendo a um modelo inspirado numa peça anteriormente criada pelo escultor e designer Johannes Hansen (1903-1995), director artístico da KK entre 1953 e 1970.

 

A KK foi fundada em 1897 mas acabou por encerrar em 1988. Entretanto, a marca foi recuperada durante o corrente ano de 2017, recorrendo à comercialização de cerâmica produzida em regime de outsourcing.

 

Consulte-se a história da KK aqui: https://knabstrup.com/historie.

 

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Janeiro 01 2017

 

 

Três peças em diferentes pastas, e com diferentes técnicas decorativas, da bicentenária fábrica dinamarquesa Den Kongelige Porcelaensfabrik, posteriormente conhecida a nível internacional como Royal Copenhagen.

 

Em cima, um pote com tampa produzido já no período do pós-guerra, em 1949 (a letra acentuada é o N, em cima, embora o/a decorador/a tenha colocado também um pequeno ponto sob a mesma para desfazer qualquer dúvida sobre a sua eventual ilegibilidade), mas apresentando ainda certas características ao gosto Art Déco.

 

Medindo cerca de 24,2 cm. de altura, ostenta decoração estampada e pintada à mão sobre o vidrado, com um esquilo, ramos, folhas e frutos de avelaneira, complementada com retoques e filetagem a ouro.

 

Sendo uma peça em porcelana, apresenta um craquelé artificialmente induzido, processo muito comum em algumas decorações do período Art Déco, nomeadamente nas cerâmicas da fábrica belga Boch Frères / Keramis (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/boch+fr%C3%A8res) e da francesa Longwy (http://mfls.blogs.sapo.pt/tag/longwy), embora tal seja uma característica específica do envelhecimento natural das peças em faiança.

 

 

Pequeno prato de porcelana em monocromia azul, com cerca de 18,2 cm. de diâmetro, comemorativo dos duzentos anos de fundação da empresa.

 

Recorreu-se aqui à técnica da moldagem do motivo em baixo relevo, o que concede maior profundidade e sentido escultórico à decoração, através das tonalidades mais escuras que predominam nas depressões desse relevo.

 

Curiosamente, comemorando embora uma efeméride de 1975, este exemplar apresenta uma marca correspondente ao período de 1969 a 1973 (https://www.royalcopenhagen.com/ourpassion/marks).

 

 

Placa em biscuit, ou parian ware, com cerca de 12 x 34 x 1,2 cm, reproduzindo uma obra do consagrado escultor dinamarquês Bertel Thorvaldsen (1770-1844), intitulada As Idades do Amor.

 

O original, com cerca de 40 x 123,5 cm., havia sido esculpido em Roma no ano de 1824. Foi posteriormente adaptado por Chr. Christensen (datas desconhecidas) em 1841, ainda durante a vida de Thorvaldsen e já depois do seu regresso definitivo à Dinamarca, para a reprodução em porcelana.

 

O exemplar que aqui se reproduz terá sido fabricado no terceiro quartel do século XIX.

         

  

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 00:01

Agosto 22 2012

 

Macaco em grés revestido a vidrado semi-mate verde azeitona, com cerca de 21,4 x 18,8 x 10,4 cm., do último período de produção da FLS. Note-se o característico vidrado deficiente destas peças tardias.

 

Ao contrário da maioria dos exemplares conhecidos, este apresenta incisa na base a inscrição manuscrita "5-1-86 / G. [C. ?] A. V. F.", conforme se pode ver abaixo. Apesar das consultas realizadas junto de peritos da FLS que se encontravam ligados à empresa nessa data, não foi possível desvendar o significado destas iniciais.

 

Como já foi referido anteriormente (http://mfls.blogs.sapo.pt/158380.html), esta escultura foi modelada por Donald Gilbert (1901-1961), correspondendo eventualmente à peça registada na tabela de Novembro de 1945 sob o número 191, "Figura Macaco", ao preço de 141$00 para "Colorido s/ ouro". Esta surge ainda na tabela de Maio de 1951 ao preço de 162$00 para "Côres Mates ou coloridos s/ ouro", não constando já da tabela de Maio de 1960.


Notem-se as diferentes dimensões desta peça relativamente às outras duas que estão referenciadas na ligação apresentada acima, e veja-se uma imagem de um outro exemplar, em conjunto com outros animais da FLS, aqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/176503.html.

 

 

A fim de ilustrar outros vidrados e outras abordagens estilísticas dentro da gramática Art Déco, reproduz-se acima a escultura de um mandril, com cerca de 22,8 cm. de altura, executada em grés pela fábrica dinamarquesa Dagnaes.

 

Esta fábrica foi estabelecida em 1930 pelo ceramista Niels Peter Nielsen (1888-1968), o qual havia já fundado anteriormente uma pequeno estúdio em Egebjerg (1909-1918) e a Danico (1919-1929), empresas que sempre tiveram as suas diferentes sedes na região de Horsens. 

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds