Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Novembro 01 2012

 

O INÍCIO DE UMA CARREIRA NA FLS (III)

 

Tendo concluído os meus estudos em Stoke-on-Trent, no verão de 1960, planeei um regresso a Portugal juntamente com um amigo e colega de curso, no carro dele, por forma a aproveitar a viagem visitando fábricas de cerâmica. Assim, decidimos escrever a empresas da Holanda (Sphinx), Alemanha e Luxemburgo (Villeroy & Boch), Suíça (Laufen), Itália (Gibertini) e Espanha (Roca), solicitando autorização para visitar as suas instalações e conhecer os seus meios de produção.

 

Todas as empresas foram impecáveis e convidaram-nos para as visitar quando quiséssemos. Foi uma óptima oportunidade para comparar processos de produção diferentes daqueles que estávamos acostumados a ver em Inglaterra, tudo isto em relação ao fabrico de loiça sanitária, loiça de mesa, azulejos e mosaicos, bem como tijolos e telhas. A viagem foi extraordinariamente interessante pois aprendemos muito, para além de conhecermos uma boa parte da Europa, ou seja, foram dois coelhos de uma só cajadada!

 

De regresso a Portugal, iniciei a minha carreira na Divisão Técnica da FLS, supervisionada na altura pelo extraordinário João de Sousa, filho de José de Sousa, o primeiro Encarregado Geral português da Fábrica de Loiça de Sacavém. O João de Sousa, que tirou o mesmo curso que eu em Stoke-on-Trent, nos anos 30, habitou toda a sua vida dentro da fábrica, pois a empresa disponibilizava meia dúzia de moradias na parte alta dos seus terrenos para os técnicos ou quadros indispensáveis a que tudo corresse bem no dia-a-dia.

 

Uma das razões, se não a principal, para a existência destas casas devia-se ao facto de Sacavém, na época, não ter infra-estruturas que assegurassem rápida ligação a Lisboa, ou a outras localidades - a estrada era péssima e os transportes públicos regulares, com excepção dos comboios, quase não existiam.

 

Quem vivia dentro dos muros da empresa eram o Encarregado Geral, o Director da Produção, o Director dos Recursos Humanos, o Chefe dos Fornos, o Chefe dos Electricistas e o Director Técnico. As casas foram construídas pelo pessoal da Secção dos Pedreiros, sendo o projecto das últimas quatro da autoria de Leonardo (Rey Colaço) Castro Freire (1917-1970), arquitecto que veio a ser distinguido com o prémio Valmor em 1970.

 

Para além destes aspectos, a Sacavém foi pioneira numa política social inovadora, pois o Estado, nos anos 20 e 30, pouco fazia pelos trabalhadores em termos sociais. Assim, o meu avô Herbert Gilbert (1878-1962) lançou nessa época os seguintes serviços de apoio:

 

● Cantina subsidiada (poucas empresas nessa altura tinham cantinas).

● Creche para as crianças do pessoal

● Subsídio de férias e férias junto ao mar para todas os trabalhadores (casas alugadas em S. Martinho do Porto, Ericeira, e outros locais)

● Médico da empresa

● Suplemento da reforma

● Aulas de ginástica para os mais novos dentro do horário de trabalho

 

Mais tarde, a empresa foi das primeiras em Portugal a introduzir a semana inglesa (trabalho durante cinco dias e meio, em vez de seis) e, já nos anos sessenta, a semana americana (trabalho durante cinco dias).

 

© Clive Gilbert 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 13:09

Outubro 02 2012

 

O INÍCIO DE UMA CARREIRA NA FLS (II)

 

Iniciei os meus estudos em matéria cerâmica no então denominado North Staffordshire Technical College (hoje, North Staffordshire University), em Stoke-on-Trent, em Setembro de 1956.

 

Os cursos estavam divididos entre Barro Branco e Barro Vermelho e, em princípio, tinham a duração de três anos. O ano escolar, por sua vez, estava dividido em dois períodos (de Setembro a Abril, para a teoria, e de Maio a Agosto, para a prática). Neste último período o estudante tratava de arranjar o seu estágio numa fábrica, em Inglaterra ou no estrangeiro, podendo o NSTC encarregar-se disso caso ele não o conseguisse.

 

O primeiro ano foi essencialmente bastante básico, abordando, em termos de Física e Química, matéria tratada no antigo 7.º ano do secundário. Era um ano comum aos estudantes de Barro Branco e de Barro Vermelho.

 

Por sua vez, o segundo ano já era mais especializado em termos da área cerâmica que cada qual tinha escolhido. No meu caso era o Barro Branco, tratando portanto de áreas que lhe estavam directamente ligadas – vidros, corantes, moldes, madres, e outros aspectos técnicos.

 

Finalmente, o terceiro ano era ainda mais especializado e incluía outros aspectos práticos desenvolvidos nas fábricas de Stoke. Lembro-me, por exemplo, que fui o primeiro aluno a produzir uma sanita, do princípio ao fim, na fábrica Royal Doulton. Enchi e despejei o molde, tirei a peça do molde, acabei-a, coloquei-a no secador, vidrei-a, coloquei-a e tirei-a do forno antes de fazer a escolha. Hoje a peça faz parte da colecção do museu da Universidade.

 

No curso, o mais surpreendente era o facto de a matéria continuar a ser exactamente igual há mais de vinte anos. Curiosamente, o Director do Departamento Técnico da FLS era o João de Sousa, filho do Mestre José de Sousa, o primeiro português a ocupar este lugar depois dos ingleses Barlow, pai e filho. O João de Sousa tinha estudado em Stoke nos anos 30, pelo que pude comparar os meus apontamentos com os dele. Eram praticamente iguais!

 

Algo de ainda mais extraordinário ocorria nos estudos relativos ao cozimento. Aqui, noventa por cento da matéria era dedicada aos fornos intermitentes redondos e apenas o muito pouco que restava aos fornos-túneis, que já eram norma em grande parte das empresas. Quanto aos fornos de rolos para azulejos, que já existiam na Sacavém, nenhuma referência! Quando levantei a questão responderam que ainda não estavam suficientemente testados nem dados como fiáveis! Estou convencido que lá no NSTC ainda nem sequer tinham ouvido falar deles!

 

© Clive Gilbert 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 13:09

Setembro 01 2012

 

O INÍCIO DE UMA CARREIRA NA FLS (I)

 

Nunca na minha infância sonhei que algum dia iria trabalhar na indústria cerâmica, embora soubesse que a minha família era dona da Fábrica de Loiça de Sacavém e que o meu avô e o meu pai trabalhavam lá. Só quando acabei o secundário em Londres, sem quaisquer ideias quanto ao meu futuro, é que aceitei ir fazer o curso de cerâmica em Stoke-on-Trent. Isto passou-se em 1956.

 

As primeiras impressões não foram nada boas. As "Potteries", como era conhecida a área da cidade de Stoke-on-Trent (composta por seis vilas – Burslem, Fenton, Hanley, Longton, Stoke e Tunstall), eram o centro da indústria cerâmica de Inglaterra e nessa altura existiam centenas de pequenas e médias empresas todas à volta das grandes cerâmicas, tais como a H&R Johnson, Royal Doulton, Twyfords, Wedgwood, e outras. Todas estas fábricas, particularmente as centenas das mais pequenas que ainda não tinham investido em fornos modernos devido às dificuldades económicas do pós-guerra, debitavam cá para fora uma espessa camada de fumo proveniente dos antigos fornos redondos, bottle ovens, e das chaminés das caldeiras que ainda eram alimentadas a carvão. Nessa época era impossível usar uma camisa branca pois era sabido que pela altura do almoço o colarinho já estaria preto... Só para dar uma ideia, as papelarias e tabacarias locais vendiam uns postais de Stoke-on–Trent apresentando uma imagem totalmente a preto com o título "Stoke-on-Trent by night", havendo outros exactamente iguais mas com o título "Stoke-on-Trent by day"!

 

Ao fim de algum tempo ficávamos habituados não só ao denso fumo como à chuva e ao frio, sendo tudo atenuado pelas amizades que se criavam – ainda em Julho passado me veio visitar um antigo colega de curso que hoje em dia vive na Austrália e eu não via há mais de quarenta anos!

 

© Clive Gilbert 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 13:09

mais sobre mim
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

pesquisar