Memórias e Arquivos da Fábrica de Loiça de Sacavém

Junho 16 2019

 

Jarra, com cerca de 19,8 cm. de altura, em porcelana da Artibus, Aveiro.

 

A técnica de aplicação de motivos decorativos em relevo, particularmente os florais, ocorreu com frequência em diversas peças da Artibus, nomeadamente em pequenas estatuetas ou figuras, sendo estes relevos, na maior parte das vezes, pintados ou dourados.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 08 2019

 

Pequena figura feminina modelada por Armando Correia (1936-2008).

 

Tal como acontece com diversas outras peças de Armando Correia, esta figura é um dos muitos exemplares de reprodução moldada, a partir do original, que o ceramista comercializou.

 

Exemplar da primeira metade da década de 1980.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Junho 02 2019

 

Em cima, pequena jarra em biscuit, com cerca de 4,8 cm. de altura, apresentando decoração floral estampada, produzida na empresa Vidrocerâmica.

 

A Vidrocerâmica foi uma empresa fundada em Aradas, Aveiro, na segunda metade da década de 1970, provavelmente em 1976.

 

Em baixo, pequena taça ou aneleira, com cerca de 1,6 cm. de altura e 4,7 cm. de diâmetro, em biscuit das porcelanas Íbis, também de Aveiro, uma empresa que teve o seu ponto alto na década de 1980.

 

 

Durante as décadas de 1970 e 1980 surgiram em Portugal várias empresas que se dedicaram à produção de miniaturas e pequenas peças em porcelana, com decoração floral estampada, numa abordagem algo demodée que se filiava ainda na tradição dos bibelots como elementos decorativos indispensáveis.

 

Em muitos lares portugueses, estes estavam também ainda associados, nessas décadas, à proliferação dos naperons de renda, ou crochet, que se aplicavam sobre escuros e pesados móveis de madeira lavrada.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 25 2019

 

Açucareiro com cerca de 9,5 cm. de altura, em porcelana da Porcel, Oliveira do Bairro.

 

O motivo minimalista que decora, em azul cobalto, esta peça foi concebido, em 2007, por Marta Pina (datas desconhecidas), designer formada na Universidade de Aveiro, Portugal, e no St. Martin's College, Inglaterra, e intitula-se My Line.

 

Entre 2001 e 2008 Marta Pina foi a responsável pelo gabinete de design da Porcel, passando a desempenhar funções similares no grupo internacional, de origem italiana, Gres Panaria Portugal, a partir de 2009.

 

A empresa Porcel, fundada em 1987, dedica-se a produzir principalmente serviços de mesa de gama superior com design contemporâneo, embora também se envolva na produção de outras peças, tais como esculturas ou revestimentos cerâmicos.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 19 2019

 

Pote com tampa, medindo cerca de 22,2 cm. de altura, em faiança de Alcobaça.

 

O craquelé que esta peça ostenta foi induzido artificialmente e acentuado com uma ligeira coloração.

 

Note-se como esta marca transmite a ideia da loiça de Alcobaça enquanto local de produção abrangente e de prestígio, sobrepondo-se assim à necessidade de identificar a empresa. 

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 11 2019

 

Pequena jarra, ou o pote a que falta a tampa, com cerca 8,5 de cm. de altura, em porcelana da fábrica da Sociedade de Porcelanas, Coimbra.

 

Note-se, na metade esquerda, a linha de junção do motivo estampado, correspondente à decoração 349, como se pode verificar na anotação manuscrita junto à marca.

 

Motivos similares a este foram aplicados, no mesmo período, que corresponderá às décadas de 1960 e 1970, em peças cerâmicas de outras fábricas portuguesas.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Maio 05 2019

 

Jarro, ou caneca, com cerca de 19,7 cm. de altura, em porcelana da empresa Campos & Filhos, de Viana do Castelo.

 

Complementando a decoração floral estampada, ostenta, a dourado, a legenda manuscrita "Lembrança de Casamento". Muito provavelmente, esta será uma peça da década de 1950.

 

 

Como já foi referido, esta fábrica, fundada em 1945, pretendia continuar a antiga tradição da oitocentista loiça de Viana, mantendo a produção em faiança.

 

Depois de algumas vicissitudes fabris e empresariais, ocorridas ainda nessa década, a partir de 1948 passou a integrar a empresa Jerónimo Pereira Campos, Filhos, de Aveiro, e centrou a produção numa "faiança fina", de pasta feldspática e não porosa, semelhante à porcelana.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 27 2019

 

Pequena caixa alfineteira decorada por Armando Correia (1936-2008).

 

Esta peça foi executada na primeira metade da década de 1980.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 21 2019

 

Prato de cozinha, em faiança, da Companhia das Fábricas Cerâmica Lusitânia.

 

Este tipo de decoração floral ao gosto Art Déco foi comum a inúmeras peças de diferentes fábricas portuguesas, particularmente durante as décadas de 1930 e 1940.

 

Também as características técnicas da decoração – a aplicação do stencil (chapa recortada), no motivo floral, e do aerógrafo, no rebordo, surgem recorrentemente em outras peças do período.

 

A presente imagem consta do catálogo da exposição Portuguese Ceramics in the Art Deco Period, realizada nos EUA em 2004, e é da autoria do fotógrafo João Francisco Vilhena (n. 1965).

 

Note-se que a imagem original foi registada em película e posteriormente digitalizada, o que afectou a sua qualidade e não reflecte as características que uma impressão em papel fotográfico oferece.

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

Abril 07 2019

 

Caixa boleira em faiança da OAL, Olaria de Alcobaça.

 

Esta combinação de decoração floral com fundo preto, e ornatos a dourado, corresponde a uma fase transitória na decoração da cerâmica portuguesa do pós-guerra, sendo particularmente característica da OAL.

 

 

© MAFLS

publicado por blogdaruanove às 21:01

mais sobre mim
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


pesquisar